PROCESSO PENAL AUTORITÁRIO E AS RELAÇÕES ENTRE POLÍCIA E JUSTIÇA NA CONFERÊNCIA JUDICIÁRIA-POLICIAL DE 1917

AUTHORITARIANISM, CRIMINAL PROCEDURE AND THE RELATIONS BETWEEN BRAZIL’S POLICE AND CRIMINAL JUSTICE SYSTEM AT THE “JUDICIAL AND POLICING CONFERENCE OF 1917"

Autores/as

Palabras clave:

Soberania policial; Poder judiciário; desordem pública; racismo; Conferência Judiciária-Policial de 1917.

Resumen

As relações entre polícia e justiça são objeto de muitos estudos teóricos e empíricos nas ciências criminais. A princípio, o judiciário seria uma instância de controle da atividade policial, na medida em que é guardião das garantias e direitos fundamentais. Na prática, porém, são muitas as evidências de que saberes e práticas policiais são acolhidos por autoridades do sistema de justiça e em processos judiciais muitas vezes sem contestação.  No Brasil, por exemplo, pesquisas indicam que testemunhos policiais são centrais na condenação de determinados delitos e que as práticas de violência institucional promovidas pelas polícias ainda são frequentes e com baixo nível de responsabilização dos agentes envolvidos. O que pode explicar essa realidade? Neste trabalho, procuramos trabalhar com a hipótese de que, no Brasil, as polícias tiveram centralidade no controle punitivo desde o seu surgimento, no século XIX, e que se constituíram como uma força soberana nas ruas lidando com a “desordem pública”, questão que se definiu a partir de hierarquias raciais estruturantes da sociedade brasileira. Sendo assim, muitas vezes de modo autoritário e ao arrepio da lei, as polícias desenvolveram o seu modo de atuar “nas ruas” e as instâncias judiciais se mantiveram distantes, como cúmplices, ou raramente se ergueram para construir mecanismos de controle. Para pensar essas relações, analisamos os discursos proferidos na Conferência Judiciária-Policial ocorrida no Rio de Janeiro no ano de 1917. Aquele encontro, que reuniu autoridades policiais e do Poder Judiciário para pensar o problema do crime no Brasil, abordou a tensão entre aumento da criminalidade e o suposto excesso de liberdades conferidas pelo direito e traz interessantes insights para pensar em como historicamente forças policiais e do poder judiciário possuíam interesses, práticas e objetivos convergentes mais do que conflitantes.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

ABATH, M. Soberania policial no Recife do início do século XX, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

__________. “Processo penal e democracia: as práticas punitivas aos movimentos operários na primeira república”, Revista brasileira de ciências criminais, V. 25, pp. 173-198, 2017.

ALVAREZ, M.C. Bachareis, criminologistas e juristas: saber jurídico e Nova Escola Penal no Brasil, IBCCRIM, São Paulo, 2003.

ATA DA QUARTA REUNIÃO DA I SEÇÃO. Annaes da Conferência Judiciária-Policial de 1917, Vol. II, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918.

ATA DA NONA REUNIÃO DA SEGUNDA SEÇÃO. Annaes da Conferência Judiciária-Policial de 1917, Vol. 2, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918.

ATA DA OITAVA REUNIÃO DA SEGUNDA SEÇÃO. Annaes da Conferência Judiciária-Policial de 1917, Vol. 2, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918.

AZEVEDO, C.M.M.D. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites do século XIX, 3º ed., Annablume, São Paulo, 2004.

BATISTA, N. Apontamentos para uma história da legislação penal brasileira, Revan, Rio de Janeiro, 2016.

BECKER, H. Segredos e truques da pesquisa, Zahar, Rio de Janeiro, 2007.

BRASIL. Código de Processo Penal, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689.htm, acesso em: 05/04/2023.

__________. Lei nº 13.245 de 2016, disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13245.htm, acesso em: 05/04/2023.

__________. Constituição de 1891, disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao91.htm, acesso em: 06/04/2023.

BARROS, M. Polícia e tortura no Brasil: conhecendo a caixa das maçãs podres, Appris, Curitiba, 2015.

BRETAS, M.L. Ordem na cidade: o exercício cotidiano da autoridade policial no Rio de Janeiro: 1907-1930, Rocco, Rio de Janeiro, 1997.

BUENO, Antonio José Pimenta. Apontamentos sobre o processo criminal brazileiro. 2 ed. Rio de Janeiro: Guarnier, 1857.

CASTRO, A.O.V.D. These VI, Seção II, Annaes da Conferência Judiciária-Policial de 1917, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918.

CHOUKR, F.H. Garantias Constitucionais da Investigação Criminal, 3º ed., Lumen Juris, Rio de Janeiro, 2006.

FIGUEIREDO, J.B.D. A contravenção de vadiagem, Jacintho Ribeiro dos Santos Editor, Rio de Janeiro, 1924.

FAUSTO, B. Crime e cotidiano: a criminalidade em São Paulo (1880-1924), 2º ed., EDUSP, São Paulo, 2001.

GIACOMOLLI, N.J. “Algumas marcas inquisitoriais do código de processo penal brasileiro e a resistência a reformas. Revista Brasileira de Direito Processual Penal”, Porto Alegre, vol. 1, n. 1, p. 143-165, 2015.

GLOECKNER, R.J. Autoritarismo e processo penal: uma genealogia das ideias autoritárias no processo penal brasileiro, Tirant Lo Blanch, Florianópolis, 2018.

JESUS, M.G.M.D. A verdade jurídica nos processos de tráfico de drogas, D'Plácido, Belo Horizonte, 2018.

KOSELLECK, R. Futuro passado, Contraponto, Rio de Janeiro, 2006.

LEAL, A. Annaes da Conferência Judiciária-Policial de 1917, 2º V., Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918.

LIMA, R.K.D. "Cultura jurídica e práticas policiais: a tradição inquisitorial", Revista Brasileira de Ciências Sociais, ANPOCS, São Paulo, 4 (10), pp. 65-84, 1989.

LOPES JR., A. & GLOECKNER, R.J. Investigação Preliminar no Processo Penal, 6º ed., Saraiva, São Paulo, 2014.

OCTAVIO, R. Tese VII, Seção II, Annaes da Conferência Judiciária-Policial de 1917, Vol. 1, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918.

PRADO, G. “O Processo Penal Brasileiro Vinte e Cinco Anos Depois da Constituição: Transformações e permanências”, Revista EMERJ, Rio de Janeiro, v. 18, n. 67, p. 550-569, jan- fev, 2015.

PITANGA, A.F.D.S. Tese IV, Seção III, Annaes da Conferência Judiciária-Policial de 1917, Vol. I, Imprensa Nacional, Rio de Janeiro, 1918.

QUEIROZ, M.V.L. Constitucionalismo Brasileiro e o Atlântico Negro: a experiência constituinte de 1823 diante da Revolução Haitiana, Lumen Juris, Rio de Janeiro, 2017.

RAGO, M. Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930), Paz e Terra, São Paulo, 2008.

SAMPAIO, A.R; RIBEIRO, M.H.M. & FERREIRA, A.A. “A influência dos elementos de informação do inquérito policial na fundamentação da sentença penal condenatória: uma análise das sentenças prolatadas pelas varas criminais de Maceió/AL”, Revista Brasileira De Direito Processual Penal, 6(1), pp. 175–210, 2020.

SANTOS, H.L. Por uma história crítica dos conceitos jurídico-penais: fundamentos teórico-metodológicos a partir de uma aproximação entre Michel Foucault e Reinhart Koselleck, Universidade Federal de Pernambuco, 2015.

SOUZA, L.A.F.D. Polícia, poder de polícia e criminalidade numa perspectiva histórica, KOERNER, A. (org.), História da justiça penal no Brasil: pesquisas e análises, IBCCRIM, São Paulo, 2006.

STJ. RHC nº 88496/RS - DJe 29/08/2018, disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/toc.jsp , acesso em: 05/04/2023.

STF. ADIN nº 6299, disponível em: https://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5840373, acesso em: 05/04/2023.

TORTIMA, P. Polícia e justiça de mãos dadas: A conferência Judiciário-Policial de 1917, Universidade Federal Fluminense, 1988.

ZACCONE, O. Indignos Da Vida: A Desconstrução Do Poder Punitivo, Revan, Rio de Janeiro, 2007.

ZAFFARONI, E.R; BATISTA, N; ALAGIA, A. & SLOKAR, A. Direito penal brasileiro – I, Revan, Rio de Janeiro, 2006.

Publicado

11-05-2023

Cómo citar

Abath Valença, M. (2023) «PROCESSO PENAL AUTORITÁRIO E AS RELAÇÕES ENTRE POLÍCIA E JUSTIÇA NA CONFERÊNCIA JUDICIÁRIA-POLICIAL DE 1917: AUTHORITARIANISM, CRIMINAL PROCEDURE AND THE RELATIONS BETWEEN BRAZIL’S POLICE AND CRIMINAL JUSTICE SYSTEM AT THE “JUDICIAL AND POLICING CONFERENCE OF 1917"», Cadernos de Dereito Actual, (20), pp. 157–175. Disponible en: https://cadernosdedereitoactual.es/ojs/index.php/cadernos/article/view/922 (Accedido: 21 julio 2024).