Projeto Florença de Acesso à Justiça uma atualização necessária frente a virada tecnológica no direito

Autores/as

Resumen

O trabalho examina o direito fundamental de acesso à justiça a partir da obra de Mauro Cappelletti e Bryant Garth, conhecido como o Projeto Florença de Acesso à Justiça. Neste sentido, busca-se compreender o estado da arte deste direito fundamental procurando verificar se os obstáculos encontrados na pesquisa do Projeto Florença foram superados e quais os novos obstáculos que precisam ser superados para que se revele possível falar em um real acesso à justiça. Em especial, a virada tecnológica é objeto específico de estudo, uma vez que vem sendo tratada, acriticamente, como uma onda renovatória, quando, na verdade, pode constituir-se em verdadeiro obstáculo ao acesso à justiça.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

HERES PEREIRA SILVA, UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

Mestre em Direito na Linha de Pesquisa Acesso à Justiça e Efetividade do Processo da Área de Concentração Direito Público e Evolução Social no Programa de Pós-graduação Strictu Sensu da Universidade Estácio de Sá - PPGD-UNESA (CAPES 5). Pós-graduando (lato sensu) em Direito Processual Civil pela UERJ (2022). Pós-graduado em Direito Constitucional pela UNESA (2011). Possui graduação em Direito pela Universidade Estácio de Sá (2010). Advogado, militante no Estado do Rio de Janeiro. Foi Professor Coordenador do Núcleo de Práticas Jurídicas da Universidade Estácio de Sá, Campus Sulacap, sendo responsável pelo atendimento ao alunado do curso de direito apto a realizar estágio no NPJ, bem como função docente com a estruturação pedagógica e administração do corpo de advogados e processos do escritório-modelo. Atualmente é Coordenador de Curso de Direito do Campus Via Brasil e Professor na Universidade Estácio de Sá (Grupo YDUQS), onde leciona nas disciplinas de Direito e Processo Civil; Métodos Adequados de Solução de Conflitos e Prática Simulada nas áreas Cível Conhecimento; Recursos e Constitucional. Tem interesse em Direito Processual, Direitos Fundamentais e Novos Direitos, Acesso à Justiça e Efetividade do Processo, bem como nas relações entre Direito e Meio Ambiente e Direito e Tecnologia. É Integrante do grupo de pesquisa Observatório da Mediação e da Arbitragem e do Grupo de Pesquisa Observatório da Governança Ambiental na contemporaneidade, ambos certificados pelo CNPQ.

Citas

BRASIL. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Centro Gráfico, 1988.

CABRAL, A. P. “A Duração Razoável do Processo e a Gestão do Tempo no Projeto de Novo Código de Processo Civil”, em VV.AA. (FREIRE. A. [et al.] Organizadores) Novas Tendências do Processo Civil: Estudos Sobre o Projeto. Vol. II. Salvador, JusPodivm, 2014.

CAPPELLETTI, M.; GARTH, B. Acesso à Justiça. Tradução Ellen Gracie Northfleet, S. A. Fabris, Porto Alegre, 1988.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em Números 2021: anos-base 2020. Brasília: CNJ, 2021

BRASIL. Constituição, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Centro Gráfico, 1988.

DIDIER JR., F. Sobre a Teoria Geral do Processo, essa desconhecida. 5. Ed. Salvador, Juspodivm, 2018

DWORKIN. R. A Raposa e o Porco-espinho: Justiça e Valor. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo, Editora WMF Martins Fontes, 2014

ECONOMIDES, K. “Lendo as Ondas do Movimento de Acesso à Justiça: Epistemologia versus Metodologia?” em VV.AA. PANDOLFI. D. [et al] (Organizadores) Cidadania, Justiça e Violência. Rio de Janeiro, Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1999, p. 61-76. Disponível em: http://cpdoc.fgv.br/producao_intelectual/arq/39.pdf Acesso em 21.10.2022.

ESTEVES, D. [et al]. Pesquisa Nacional da Defensoria Pública 2021. Brasília: DPU, 2021. Disponível em: https://pesquisanacionaldefensoria.com.br/pesquisa-nacional-2020/analise-nacional/ Acesso em: 20.10.2022

HAN, B. Sociedade do Cansaço. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis, RJ, Editora Vozes, 2015

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional de amostra por domicílio contínua - PNAD 2019: Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101794_informativo.pdf. Acesso em: 28.10.2022.

MAIA, M. C. “A defensoria pública e a vulnerabilidade como obstáculo de acesso à justiça: da 1ª à tecnológica 6ª onda de acesso — reflexões sobre vulnerabilidade eletrônica e exclusão digital” em VV.AA. SOUSA. J. A. G.; PACHECO, R. B.; MAIA, M. C. (Organizadores) Acesso à justiça na era da tecnologia. São Paulo: Editora JusPodivm, 2022.

MENDES. A. G.C.; SILVA, L. C. P. Acesso à Justiça: uma Releitura da Obra de Mauro Cappelletti e Bryant Garth a partir do Brasil, após 40 anos. Quaestio Iuris. Vol. 8, nº 3, Rio de Janeiro, 2015, p. 1827-1858. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/quaestioiuris/article/view/19385 Acesso em: 20.10.2022.

NUNES, D.; BAHIA, A.; PEDRON, F. Teoria Geral do Processo. 2. Ed. Salvador, JusPodivm, 2021, p. 553.

POPPER, K. R. A Lógica da Pesquisa Científica. Tradução Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. 16. Ed. São Paulo, Editora Cultrix, 2008

VIANNA, L. W. V. [et al]. A Judicialização da Política e das Relações Sociais no Brasil. Rio de Janeiro, Revan, 1999.

Publicado

2022-12-28

Cómo citar

PEREIRA SILVA, H., PEREIRA TORRES CARNEIRO DA SILVA, P. J. y DE CARVALHO ECCARD, W. T. (2022) «Projeto Florença de Acesso à Justiça uma atualização necessária frente a virada tecnológica no direito», Cadernos de Dereito Actual, (19), pp. 275–302. Disponible en: https://cadernosdedereitoactual.es/ojs/index.php/cadernos/article/view/878 (Accedido: 30 enero 2023).