"CRÍTICA DA RAZÃO PONDERATIVA": AS APORIAS DO SOPESAMENTO EM TEMPOS DE CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORÂNEO

Autores/as

Resumen

O presente artigo tem o objetivo a análise de uma das mais difundidas categorias conceituais desenvolvidas pela teoria dos direitos fundamentais de Robert Alexy, a máxima da proporcionalidade, sobretudo no que se refere à ponderação como método orientado à resolução de antinomias consistentes na colisão entre princípios – mandamentos de otimização que determinam que algo seja realizado na maior medida possível, de acordo com as possibilidades fáticas e jurídicas. Busca-se, com isso, questionar se o tratamento dos princípios jurídicos levado a efeito pelo mestre alemão, nos moldes das premissas por ele levantadas em sua teoria, poderia erigir obstáculos ao controle da legalidade e da constitucionalidade das decisões judiciais, abrindo caminho para o ingresso da racionalidade prática do intérprete-aplicador na produção do discurso de fundamentação da decisão judicial. O foco do trabalho é a discussão sobre a discricionariedade judicial no sopesamento entre princípios colidentes, de modo a pôr em perspectiva a suposta racionalidade do método proposto pela teoria da argumentação alexyana, questionando a legitimidade constitucional de seu emprego na solução dos casos apresentados à apreciação judicial.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

ALEXY, R. Teoria dos direitos fundamentais, 1º ed., Malheiros Editores, São Paulo, 2011.

BARROSO, L.R. Interpretação constitucional: reflexões sobre (a nova) hermenêutica, Juspodivm, Salvador, 2010.

BOBBIO, N. Teoria do ordenamento jurídico. 2. ed. São Paulo: EDIPIRO, 2014.

COMELLA, V.F. “Mais alla del principio de proporcionalidade”, Revista Derecho del Estado, Bogotá, v. 46, n. 1, pp. 161-188, maio 2020.

HABERMAS, J. Direito e democracia: entre facticidade e validade, Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, 1997.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo, Vozes, Petrópolis, 2006.

KELSEN, H. Teoria pura do direito, 8º ed., Editora WMF Martins Fontes, São Paulo, 2009.

LOPES, M.A.R. Garantias constitucionais do processo civil, Revista dos Tribunais, São Paulo, 1999.

LUHMANN, N. O direito da sociedade, 1º ed., Martins Fontes, São Paulo, 2016.

LUHMANN, N. Sistemas sociais: esboço de uma teoria geral, 1º ed., Vozes, Petrópolis, 2016.

SARLET, I.W. “Constituição, Proporcionalidade e Direitos Fundamentais: O Direito Penal entre Proibição de Excesso e de Insuficiência”, Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, v. 81, p. 325-386, 1 jan., 2005.

SARMENTO, D. “O neoconstitucionalismo no Brasil: riscos e possibilidades”, Revista Brasileira de Estudos Constitucionais, Belo Horizonte, v. 3, n. 9, pp. 95-133, jan./mar. 2009.

STRECK, L.L. Dicionário de Hermenêutica: quarenta temas fundamentais da teoria do direito à luz da crítica hermenêutica do Direito, 1º ed., Editora Letramento, Belo Horizonte, 2020.

STRECK, L.L. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do Direito, 11º ed., Livraria do Advogado Editora, Porto Alegre, 2014.

STRECK, L.L. O que é isto – decido conforme minha consciência?, 4º ed., Livraria do Advogado Editora, Porto Alegre, 2013.

STRECK, L.L. Verdade e consenso, 6º ed., Saraiva, São Paulo, 2017.

Publicado

15-04-2022

Cómo citar

Paz, E. F. (2022) «“CRÍTICA DA RAZÃO PONDERATIVA”: AS APORIAS DO SOPESAMENTO EM TEMPOS DE CONSTITUCIONALISMO CONTEMPORÂNEO», Cadernos de Dereito Actual, (17), pp. 38–52. Disponible en: https://cadernosdedereitoactual.es/ojs/index.php/cadernos/article/view/775 (Accedido: 22 mayo 2024).