Desafios e perspectivas para a sustentabilidade do agronegócio brasileiro no cenário pós-pandêmico

Autores/as

  • Carolina Merida Universidade de Rio Verde, Goiás, Brasil Doutoranda na UNISINOS, Brasil http://orcid.org/0000-0002-5546-5660
  • Carlabianca Cabral de Jesus Canevari Universidade de Rio Verde
  • Dilça Cabral de Jesus Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Resumen

O agronegócio tem impactado o meio ambiente, auxiliando no acúmulo de gases de efeito estufa, proporcionando elevação da temperatura do planeta. A exploração desta temática e o conceito de desenvolvimento sustentável no agronegócio tem sido objeto de grande preocupação e discussão em todo mundo. No atual cenário mundial, frente ao enfrentamento da pandemia, tem-se evidenciado a importância da integralização da economia em todos aspectos, sobretudo nas questões referentes ao meio ambiente, uma vez que tal problemática pode induzir dificuldades globais superiores às enfrentadas pelo Coronavírus. O estudo teve como objetivo descrever os desafios à implantação da sustentabilidade no agronegócio brasileiro e suas perspectivas para o período pós-pandemia. Para tanto foi realizada uma análise de conteúdo de uma pesquisa descritiva e analítica baseada na literatura consolidada frente ao tema proposto. Evidenciou-se a escassez de políticas públicas indutoras de comportamento ambientais, seja por meio do financiamento tecnológico, redução das taxas de juros ou por condições especiais de pagamentos aos produtores que implementarem práticas sustentáveis à produção adicionais às exigências contidas na legislação ambiental. Verificou-se, ainda, a tendência de projetos entre produtores rurais e o setor de insumos agrícolas na implantação de ações e tecnologias ecoeficientes visando a sustentabilidade do e no agronegócio.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Carolina Merida, Universidade de Rio Verde, Goiás, Brasil Doutoranda na UNISINOS, Brasil

Doutoranda em Direito Público pela UNISINOS, mestre em Direto, Relações Internacionais e Desenvolvimento pela PUC/GO e graduada em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professora Adjunta da Faculdade de Direito - na graduação e pós-graduação. Procuradora do Município de Rio Verde.

Carlabianca Cabral de Jesus Canevari, Universidade de Rio Verde

Mestranda do Curso de Pós-Graduação em Direito do Agronegócio e Desenvolvimento da Universidade de Rio Verde –UniRV e Advogada

Dilça Cabral de Jesus, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Mestranda em Direito da Empresa e dos Negócios na Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, Graduada em Direito pela Universidade de Rio Verde .

Citas

ASSAD, E. D.; MARTINS, S. C.; PINTO, H. P. Sustentabilidade no agronegócio brasileiro. Ed. Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável, Rio de Janeiro, 2012.

BARROS, T.V.; CARDOSO, L.M.B.; BASTOS, A.L. “Políticas Públicas e o Modelo Econômico Sustentável”. “VII Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito (CONPEDI)”, Palmas, 2012.

BATISTA, I. H.; ALBUQUERQUE, C. C. de. “Desenvolvimento sustentável: novos rumos para a humanidade”. “Revista Eletrônica Aboré”, Manaus, 3. ed. 2007.

BAYER, “Relatório de Responsabilidade Socioambiental”. Disponível em: <https://www.bayer.com.br/static/documents/pdf/relatorio-responsabilidade-socioambiental-2017.pdf >. Acessado em: 11 de agosto de 2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. “Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988”. 55. ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

BRASIL. Decreto nº 9.578 de 22 de novembro de 2018. Consolida atos normativos editados pelo Poder Executivo federal que dispõem sobre o Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, de que trata a Lei nº 12.114, de 9 de dezembro de 2009, e a Política Nacional sobre Mudança do Clima, de que trata a Lei nº 12.187, de 29 de dezembro de 2009. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9578.htm> Acessado em 25 de agosto de 2020.

BRASIL. Decreto nº 9.854 de 25 de junho de 2019. Institui o Plano Nacional de Internet das Coisas e dispõe sobre a Câmara de Gestão e Acompanhamento do Desenvolvimento de Sistemas de Comunicação Máquina a Máquina e Internet das Coisas. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Decreto/D9854.htm> Acessado em 25 de agosto de 2020.

BRASIL. Decreto nº 99.274, de 6 de junho de 1990. Regulamenta a Lei nº 6.902, de 27 de abril de 1981, e a Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõem, respectivamente sobre a criação de Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental e sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/Antigos/D99274.htm> Acessado em 25 de agosto de 2020.

BRASIL. Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Disponível em: <https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=4504&ano=1964&ato=03cMTWE9UNVRVT5b5>. Acesso em 19 de agosto de 2020.

BRASIL. Lei nº 4.829 de 5 de novembro de 1965. Institucionaliza o crédito rural. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4829.htm> Acessado em19 de agosto de 2020.

BRASIL. Lei n.º 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm. Acesso em: 10 agosto 2020.

BRASIL. Lei nº 8.171, de 17 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política agrícola. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8171.htm>. Acesso em 19 de agosto de 2020.

BRASIL. Lei nº 10.831 de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.831.htm#:~:text=LEI%20No%2010.831%2C%20DE%2023%20DE%20DEZEMBRO%20DE%202003.&text=Regulamento.,Art.> Acessado em 25 de agosto de 2020.

BRASIL. Lei nº 12.187 de 29 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12187.htm> Acessado em 25 de agosto de 2020.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2012/lei/l12651.htm>. Acesso em: 13 de agosto de 2020.

BRASIL. Lei nº 14.119 de 13 de janeiro de 2021. Institui a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais; e altera as Leis n os 8.212, de 24 de julho de 1991, 8.629, de 25 de fevereiro de 1993, e 6.015, de 31 de dezembro de 1973, para adequá-las à nova política. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-14.119-de-13-de-janeiro-de-2021-298899394. Acesso em: 10 de outubro de 2021.

BURANELLO, R. Manual do Direito do Agronegócio. Ed. Saraiva Educação, São Paulo, 2. ed., 2018, p. 343.

CARNEIRO, Ricardo. Direito ambiental: uma abordagem econômica. Rio de Janeiro: Forense, 2001, p. 98.

CARRION, P.; QUARESMA, M. “Internet da Coisas (IoT): Definições e aplicabilidade aos usuários finais”. “HumanFactors in Design”, v.8, n.15, 2019, p. 49-66.

CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA (CEPEA). “Metodologia - PIB do Agronegócio Brasileiro: Base e Evolução” Piracicaba (2017); FREITAS, E. “Agronegócios”. Disponível em: <http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/agronegocios.htm>. Acessado em: 11 de agosto de 2020.

CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA (CEPEA). “Relatório do PIB do Agronegócio Brasileiro”, 2016. Disponível em: <http://www.cepea.esalq.usp.br/br/pib-do-agronegocio-brasileiro.aspx>. Acesso em: 09 de agosto de 2020.

CHIARETTI, D. “Em carta a Mourão, CEOs pedem combate ao desmatamento.” (2020). Disponível em: <https://valor.globo.com/brasil/noticia/2020/07/07/em-carta-a-mourao-ceos-pedem-combate-ao-desmatamento.ghtml> Acessado em: 21 de agosto de 2020.

COMISSÃO EUROPEIA. “Fontes de financiamento para uma Transição Justa”. (2020). Disponível em: <https://ec.europa.eu/info/strategy/priorities-2019-2024/european-green-deal/actions-being-taken-eu/just-transition-mechanism/just-transition-funding-sources_pt> Acessado em: 23 de agosto de 2020.

CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN). Resolução nº 3.545, de 29 de fevereiro de 2008. Altera o MCR 2-1 para estabelecer exigência de documentação comprobatória de regularidade ambiental e outras condicionantes, para fins de financiamento agropecuário no Bioma Amazônia. Disponível em: <https://www.bcb.gov.br/pre/normativos/res/2008/pdf/res_3545_v1_O.pdf> Acesso em: 13 de agosto de 2020.

CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL (CMN). Resolução nº 3.896, de 17 de agosto de 2010. Institui, no âmbito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura (Programa ABC). Disponível em: https://www.normasbrasil.com.br/norma/resolucao-3896-2010_111667.html. Acesso em: 25 mai. 2020.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). “Gestão Estratégica Automação e Agricultura de Precisão”. (2019). Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/45785396/mapa-e-mctic-criam-camara-do-agro-40-para-levar-mais-conectividade-ao-campo> Acessado em 25 de agosto de 2020.

FREITAS, E. “Agronegócios”. Disponível em: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/agronegocios.htm. Acessado em: 11 de agosto de 2020.

FORNAZIER, A.; SOUZA, P.M.S.; PONCIANO, N.J. “A Importância do Seguro Rural na Redução de Riscos da Agropecuária”. “Revista de Estudos Sociais”. v. 14, n. 28, p. 39-52,2012.

GALVINA, R.; HEALY, N. “The Green New Deal in the United States: what it is and how to pay for it”. “Energy Research& Social Science”. v. 67:101529, 2020.

KNEIPP, J. M.; GOMES, I.M.; BICHUETI, R.S.; MACCARI, E.A. “Gestão para a sustentabilidade em empresas do setor mineral”. “Revista de Ciências de Administração”, Florianópolis, 2012, v. 14, n. 33, p. 52-67.

MACHADO, A. A. “Ambiental internacional: A construção social do acidente químico ampliado de Bhopale da convenção 174 da OIT”. “Contexto Internacional”, v. 28, n. 1, 2006, pp. 7-51.

McKINSEY GOBAL INSTITUTE.“The internet ofthings: mapping the value beyond the hype”, (2015). Disponível em: <https://www.mckinsey.com/~/media/McKinsey/Industries/Technology%20Media%20and%20Telecommunications/High%20Tech/Our%20Insights/The%20Internet%20of%20Things%20The%20value%20of%20digitizing%20the%20physical%20world/Unlocking_the_potential_of_the_Internet_of_Things_Executive_summary.pdf>.Acessado em: 25 de agosto de 2020.

MARTINS, A.V.S.; BARBOSA, R.A.P. “O impacto da internet das coisas no agronegócio”. 13º Congresso Latino-Americano de Varejo e Consumo: "After COVID-19: Building Purpose through Stakeholders in Retailing"CLAV 2019. “Repositório FGV de Conferências”, 2019.

McKINSEY& COMPANY. “Growingopportunities in the Internet of Things”. July 2019. Disponível em: < https://www.mckinsey.com/~/media/McKinsey/Industries/Private%20Equity%20and%20Principal%20Investors/Our%20Insights/Growing%20opportunities%20%20in%20the%20Internet%20of%20Things/Growing-opportunities-in-the-Internet-of-Things-v5.pdf> Acessado em: 26 de agosto de 2020.

MERIDA, C.; MONTEIRO, R.A.; SILVA, A.V. “Sustentabilidade, novas tecnologias e agronegócio brasileiro: panorama e desafios”.In: SILVÉRIO JÚNIOR, J.P.; LINO, E.N.S.; FERREIRA, R.M. “Direito do Agronegócio: Sustentabilidade, Regulação e Desenvolvimento”. Goiânia: Kelps, 2019. p.315-347.

MERIDA, C.; SILVA, A. V. da. “Pagamento por Serviços Ambientais à Luz do Paradigma Constitucional da Sustentabilidade: a utilização de mecanismos de incentivo para consecução do direito fundamental à água potável”. In: LARA MARTINS, R.; COELHO, S. P. Direito e sustentabilidade nos 30 anos da constituição: experiências e desafios no âmbito do direito ambiental, urbanístico, mineral e agrário. Editora Tirant Lo Blanch, Florianópolis, 2018. p. 121- 140.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA). “Agronegócio Brasileiro. Ministério lança Plano de Investimento para Agricultura para Agricultura Sustentável”. (2020). Disponível em: < https://www.gov.br/pt-br/noticias/agricultura-e-pecuaria/2020/06/ministerio-lanca-plano-de-investimento-para-agricultura-sustentavel>. Acesso em: 10 de agosto de 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). “Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. (2015) Traduzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), última edição em 13 de outubro de 2015. Disponível em: <https://sustainabledevelopment.un.org> Acessado em: 18 de agosto de 2020.

OSORIO, R.M.L. “A Produção de soja no oeste do Pará: a tomada de decisão do produtor rural e as características da atividade produtiva em meio à floresta Amazônica”, 175f. “Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília”, Brasília, 2018.

PORTAL REDE BRASIL DO PACTO GLOBAL. “Os 10 princípios”. Disponível em: <https://www.pactoglobal.org.br/10-principios>. Acessado em: 10 de outubro de 2021.

PORTAL REVISTA SAFRA. “Bayer assume compromisso com a sustentabilidade”. (2019). Disponível em: http://revistasafra.com.br/bayer-assume-compromisso-com-a-sustentabilidade. Acessado em: 11 de agosto de 2020.

QUADROS, R.; TAVARES, A. N. “À conquista do futuro: sustentabilidade como base da inovação de pequenas empresas”. “Ideia Sustentável”, São Paulo, jul.2014, ano 9, n. 36, p. 30.

SÁ, M.A.; GONÇALVES, E.B.; SOUZA, V.A.B.; LAPOLLI, E.M. “Produtores orgânicos e a sustentabilidade”. “Revista Brasileira de Agroecologia”. v. 9, n.2, 2014, p. 84-97.

SAMBUICHI, R.H.R.; OLIVEIRA, M.A.C.; SILVA, A.P.M.; LUEDEMANN, G. “A sustentabilidade ambiental da agropecuária brasileira: impactos, políticas públicas e desafios”. “Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)”, 2012.

SCHWANTES, F.; BACHA, C.J.C. “Análise da formulação da política de garantia de preços mínimos no Brasil pela ótica da economia política”. “Nova Economia”. Belo Horizonte, v. 29, n. 1, p. 161-192, 2019.

SILVA, A. S.; SOUZA, J. G.; LEAL, A. C. “Qualidade de vida e meio ambiente: experiência de consolidação de indicadores de sustentabilidade em espaço urbano”. “Sustentabilidade em Debate”, Brasília, n. 2, v. 3, 2012, p. 177- 196.

TILMAN, D.; BALZER, C.; HILL, J.; BELFORT, B.L. “Global food demand and the sustainable intensification of agriculture”. “Proceedings of the National Academy of Sciences”, v. 108, n. 50, p. 20.260-20.264, 2011.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT (UNCSD). “The future wewant”. (2012). Disponível em: <https://sustainabledevelopment.un.org/futurewewant.html> Acesso em: 20 de agosto de 2020.

Descargas

Publicado

2021-12-28

Cómo citar

Merida, C., Cabral de Jesus Canevari, C. y Cabral de Jesus, D. (2021) «Desafios e perspectivas para a sustentabilidade do agronegócio brasileiro no cenário pós-pandêmico», Cadernos de Dereito Actual, (16), pp. 277–295. Disponible en: https://cadernosdedereitoactual.es/ojs/index.php/cadernos/article/view/734 (Accedido: 5 junio 2023).