AGÊNCIA REGULADORA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: uma necessidade

Autores/as

Resumen

Ao se considerar a relevância do tratamento de resíduos sólidos para o desenvolvimento sustentável, uma necessidade emergiu diante do Estado brasileiro: o aprimoramento de sua gestão e de seu gerenciamento. O presente trabalho dedica-se a verificar a necessidade da fundação de uma agência reguladora de resíduos sólidos, abordando seus conceitos, princípios e sua provável estrutura. A conclusão foi pela real necessidade da criação da Agência Nacional de Resíduos Sólidos, de caráter unissetorial e independente. O método empregado foi o hipotético dedutivo, por meio de pesquisa bibliográfica.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Viviane Kelly Silva Sá, Escola Superior Dom Helder Câmara (Brasil).

Mestranda em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável na Escola Superior Dom Helder Câmara. Integrante do grupo de pesquisa Regulação Ambiental da Atividade Econômica Sustentável (REGA)/CNPQ.

Magno Federici Gomes, Programa de Pós-graduação da Escola Superior Dom Helder Câmara (PPGD-ESDHC)

Estágio Pós-doutoral em Direito Público e Educação pela Universidade Nova de Lisboa-Portugal (Bolsa CAPES/BEX 3642/07-0). Estágios Pós-doutorais em Direito Civil e Processual Civil, Doutor em Direito e Mestre em Direito Processual, pela Universidad de Deusto-Espanha (Bolsa da Cátedra UNESCO e do Gobierno Vasco-Espanha). Mestre em Educação pela PUC Minas. Professor do Doutorado e Mestrado Acadêmico em Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável na Escola Superior Dom Helder Câmara. Professor Adjunto da PUC Minas e Professor Titular licenciado da Faculdade de Direito Arnaldo Janssen. Advogado Sócio do Escritório Moraes & Federici Advocacia Associada. Líder do Grupo de Pesquisa: Regulação Ambiental da Atividade Econômica Sustentável (REGA)/CNPQ-BRA e integrante dos grupos: Centro de Investigação & Desenvolvimento sobre Direito e Sociedade (CEDIS)/FCT-PT, Núcleo de Estudos sobre Gestão de Políticas Públicas (NEGESP)/CNPQ-BRA e Metamorfose Jurídica/CNPQ-BRA.

Citas

BRASIL. Aneel. “Resolução nº 063, de 12 de maio e 2004”, Diário Oficial da União, Brasília, 2014.

BRASIL. Conama. “Resolução nº 416 de 30 de setembro de 2009”, Diário Oficial da União, Brasília, 2009.

BRASIL. “Constituição da República Federativa do Brasil”. Diário Oficial da União, Brasília, 1988.

BRASIL. “Decreto-lei 6.016 de 22 de novembro de 1943”. Diário Oficial da União, 1943.

BRASIL. “Emenda constitucional nº 19, de 04 de junho de 1998”. Diário Oficial da União, Brasília, 1998.

BRASIL. “Lei 11.196, de 21 de novembro de 2005”. Diário Oficial da União, Brasília, 2005.

BRASIL. “Lei 7.347, de 24 de julho de 1985”. Diário Oficial da União, Brasília, 1985.

BRASIL. “Lei 8.987, de 13 de fevereiro de 1995”. Diário Oficial da União, Brasília, 1995.

BRASIL. “Lei 9.427, de 26 de dezembro de 1996”. Diário Oficial da União, Brasília, 1996.

BRASIL. ”Lei 9.468, de 6 de agosto de 1997”. Diário Oficial da União, 1997.

BRASIL. “Lei 9.478, de 06 de agosto de 1997”. Diário Oficial da União, Brasília, 1997.

BRASIL. “Lei nº 12.305, de 2 ago. 2010”. Diário Oficial da União, Brasília, 2010.

DE MELO REIS, R. M.; CAMPANHARO TEIXEIRA, A. C.; ALBERT PIRES, M. “Os benefícios da privatização: evidência no setor elétrico brasileiro”. Revista de Contabilidade e Organizações, São Paulo, v. 1, n. 1, set /dez. 2007, p. 60-72.

FEDERICI GOMES, M.; FERREIRA, L. J. “A dimensão jurídico-política da sustentabilidade e o direito fundamental à razoável duração do procedimento”. Revista do Direito, Santa Cruz do Sul, n. 52, v. 2, maio/set. 2017, p. 93-111.

FEDERICI GOMES, M.; FERREIRA, L. J. “Políticas Públicas e os objetivos do desenvolvimento sustentável”. Revista Direito e Desenvolvimento, João Pessoa, v. 9, nº 2, ago./dez. 2018, p. 155-178.

FERREIRA MOTTA, P. R. Agências Reguladoras, Editora Manoele, Barueri, 2003, 441 p.

GENZ BÖLTER, S.; DERANI, C. “Direito ambiental e desenvolvimento sustentável: uma análise da judicialização das relações sociais”. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, v. 15, n. 33, set./dez. 2018, p. 209-242.

GUERRA, S. Agências Reguladoras: da organização administrativa piramidal à governança em rede, Editora Fórum, Belo Horizonte, 2012, 238 p.

LIMA COUTO, M. C.; LANGE, L. C. “Análise dos sistemas de logística reversa no Brasil”. Engenharia Sanitária Ambiental, Rio de Janeiro, v. 22, n 5, out. 2017, p. 889-898.

MAGGETI, M. “Regulation in practice: the de facto independence of regulatory agencies”. Zurich Open Repository and Archive, Zurique, University of Zurich, v. 06, out. 2012, p. 264.

MARIENHOFF, M. “Tratado de derecho administrativo”, Abeledo-Perrot, Buenos Aires, Tomo I, 1995, 485 p.

MOREIRA NETO, D. F. “Consideraciones sobre la Participación em el derecho Comparado Brasil-España”, Revista de Administración Pública, nº 152, maio/ago. 2000, p. 73-92.

MUELLER, B.; PEREIRA, C. “Credibility and the design of Regulatory Agencies in Brazil”, Brazilian Journal of Political Economy, vol. 22, nº 3 (87), jul-set. 2002, p.65-88.

REALE, M. Filosofia do direito, Saraiva, São Paulo, ed. 19, 1999, 750 p.

SANTOS DE ARAGÃO, A. Agências reguladoras e a evolução do direito administrativo econômico, Editora forense, Rio de Janeiro, 3. ed., 2013, 535 p.

VEGA LONGO RIDLER, N. M.; RISSO GÜNTHER, W. M. “Impactos Sanitários e ambientais devido aos resíduos gerados por pilhas e baterias usadas”, Asociación Interamericana de Ingeniería y Ambiental, Cancún, out. 2002, p 1-8.

Publicado

12-06-2020

Cómo citar

Silva Sá, V. K. y Federici Gomes, M. (2020) «AGÊNCIA REGULADORA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: uma necessidade», Cadernos de Dereito Actual, 1(13), pp. 80–98. Disponible en: https://cadernosdedereitoactual.es/ojs/index.php/cadernos/article/view/531 (Accedido: 23 junio 2024).