O impacto da inovação das questões do Direito à saúde no Contexto Latino-Americano a partir dos modelos de Brasil e Argentina

Autores/as

Palabras clave:

direito a saúde, judicialização, parametrização

Resumen

Nos últimos vinte anos têm ocorrido uma transformação crescente na atuação das Cortes Supremas na América Latina acerca das diversas reivindicações dos direitos humanos fundamentais, visto que o crescimento de tais demandas é maior do que em qualquer outra região. Assim, a judicialização do direito à saúde, especificamente no Brasil e Argentina, constitui o foco de estudo do presente artigo. O objetivo é analisar, a partir da identificação das características sistemáticas na judicialização do direito humano fundamental à saúde entre Brasil e Argentina, a necessidade de parametrização da atuação constitucional do Poder judiciário na resolução de tais demandas. O principal fator de dificuldade de análise do fenômeno da judicialização da saúde nestes países resume-se no fato que este fenômeno de causa única, mas de origens variadas vão desde a negligência, falta de cobertura, negativa de tratamento/medicamento ou mesmo a tentativa de impor ao Estado a obrigação de fornecer tratamentos experimentais de alto custo sem garantia de segurança ou eficácia, mas de grande impacto orçamentário. O método de abordagem dedutivo e o método de procedimento comparativo foram utilizados como instrumento de uma técnica de documentação direta, mediante a pesquisa bibliográfica e documental, com as fontes correspondentes recebendo uma abordagem qualitativa.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

ÁLVAREZ, L. Función judicial y prácticas de gobierno: apuntes para una genealogía de la judicialización de la política en Argentina. [s.a].

BARCELLOS, A. P. de, et al. “Políticas públicas e o dever de monitoramento: levando os direitos a sério”. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 8, n. 2, 2018.

BARROSO, L. R. O direito constitucional e a efetividade de suas normas: limites e possibilidades da Constituição brasileira. 9. ed. Renovar, Rio de Janeiro, 2009.

CANOTILHO, J. J. G. Brancosos e interconstitucionalidade: itinerários dos discursos sobre a historicidade constitucional, 2. ed. Almedina, Coimbra, 2008.

CARVALHO, G.; SANTOS, L.. SUS: Sistema Único de Saúde. Unicamp, Campinas, 2006.

CETRANGOLO, O.; DEVOTO, F. Organización de la salud en Argentina y equidad: una eflexión sobre las reformas de los años noventa e impacto de la crisis actual. (Mimeo). Toronto 2002.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Relatório analítico propositivo: justiça pesquisa. Instituto de Ensino e Pesquisa – INSPER, mar., 2019. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2019/03/66361404dd5ceaf8c5f7049223bdc709.pdf>. Acesso em: 05 maio 2019.

CUADRA, F. M. de la. “Os Desafios da Política Social na América Latina”. Cadernos Gestão Pública e Cidadania. São Paulo. v. 19, n. 64, p. 78-92, Jan./Jun. 2014.

DAL MORO, Célia Cristina, et al. “Judicialização da saúde: propostas de racionalização”. Caderno Ibero-americano de Direito Sanitário. Brasília, v. 8, n. 1, p. 1-163, jan./mar., 2019. Disponível em: <https://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/505/583>. Acesso em: 29 maio 2019.

GALDINO, F. “O custo dos direitos”. In: TORRES, R. L. (Org.). Legitimação dos direitos humanos. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

GARGARELLA, R. “Justicia dialógica en la ejecución de los derechos sociales: algunos argumentos de partida”. In: YAMIN, A. E.; GLOPPEN, S. (edit.). La lucha por los derechos de la salud ¿:Puede la justicia ser una herramienta de cambio? Siglo XXI, Buenos Aires, 2013.

GROU, K. B.; SALAZAR, A. L.. A defesa da saúde em juízo. Verbatim, São Paulo, 2009.

HÄBERLE, P. El estado constitucional. Trad. Hector Fix-Fierro. Universidad Nacional Autônoma de México, México, 2003.

HÄBERLE, P. “Elementos Teóricos de um Modelo General de Recepción Legislativa”. In: LUÑO, Antonio Enrique Pérez (Coord.). Derechos Humanos y Constitucionalismo ante el Tercer Milênio. Marcial Pons, Madrid, 1996.

HOLMES, S.; SUNSTEIN, C. R. The cost of rights: why liberty depends on taxes. W. W. Norton, New York, 1999.

KRELL, A. J. Direitos sociais e controle judicial no Brasil e na Alemanha: os (dês) caminhos de um direito constitucional “comparado”. SAFE – Fabris, Porto Alegre, 2002.

LORENZETTI, R. L. Discurso: “Políticas de Estado para el Poder Judicial” en el marco de la II Conferencia Nacional de Jueces "Poder Judicial, Independencia, gestión y servicio a la sociedad". Disponível em: <https://old.csjn.gov.ar/docus/documentos/verdoc.jsp>. Acesso em: 02 maio 2019.

MOREIRA NETO, D. de F. Teoria do poder: parte I., Revista dos Tribunais, São Paulo, 1992.

PEREIRA, B. Saúde no Brasil desperdiça e gasta mal, diz Banco Mundial. Rio de Janeiro, jun. 2008. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/documents/MARE/Saude/08.6.EstudoLaForgiaHospitaisOSs.pdf>. Acesso em: 20 maio 2019.

SARLET, I. W. A eficácia dos direitos fundamentais. 4. ed. Livraria do Advogado, Porto Alegre, 2015.

SARLET, I. W. Reserva do possível, mínimo existencial e direito à saúde: algumas aproximações. 2. ed. Livraria do Advogado, Porto Alegre, 2013.

SCAFF, F. F. Quem recebe as prestações sociais? ou processo orçamentário, reserva do possível e escolhas trágicas. Malheiros, São Paulo, 2013.

SILVA, A. F. da. “Reserva do possível” no supremo tribunal federal: uma expressão enigmática? Monografia. 106f. São Paulo, Sociedade Brasileira de Direito Público, 2016. Disponível em: <http://www.sbdp.org.br/arquivos/monografia/288_monografia_2016_AdrianoFerreira.pdf>. Acesso em: 29 maio 2019.

SILVA, C. O. Peter da. Transjusfundamentalidade: diálogos judiciais transnacionais sobre direitos fundamentais. Tese de Doutorado. 274 f. Brasília, Faculdade de Direito da Universidade de Brasília–UnB. 2013. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/ bitstream/10482/13876/1/2013_ChristineOliveiraPeterdaSilva.pdf>. Acesso em: 29 abr. 2019.

SMULOVITZ, C. Petición y creación de derechos: la judicialización en Argentina. En La judicialización de la política en América Latina. compilado por Rachel Sieder, Line Schjolden y Alan Angell. Universidad del Externado de Colombia, Publicaciones de la Chata, Colombia, 2011.

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. ADPF 45, de 29 de abril de 2004. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/arquivo/informativo/documento/informativo345.htm>. Acesso em: 6 jun. 2019.

TOBAR, F. “Políticas de salud centradas en la familia y la comunidad”. In: ARROYO, Daniel (org.). Prioridad familias. Fundación Konrad Adenauer, Buenos Aires, 2013. Disponível em: <http://www.fsg.org.ar/20140805-tobar-Familias-y-salud.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2019.

UNASUR. Sistemas de Salud en Suramérica: desafíos para la universalidad, la integralidad y la equidade. Mar. 2012. Disponível em: < http://isags-unasur.org/publicacao/sistemas-de-salud-en-suramerica-desafios-para-la-universalidad-la-integralidad-y-la-equidad/>. Acesso em: 14 maio 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Domestic general government health expenditure (GGHE-D) as percentage of gross domestic product (GDP) (%) Data by country. Dez. 2017. Disponível em: <http://apps.who.int/gho/data/node.main.GHEDGGHEDGD PSHA 2011?lang=en>. Acesso em: 04 maio 2019.

YAMIN, A. E.; GLOPPEN S. (edit.). La lucha por los derechos de la salud ¿:Puede la justicia ser una herramienta de cambio? Siglo XXI, Buenos Aires, 2013.

Publicado

22-12-2023

Cómo citar

Pedroso, V. y Barros, L. (2023) «O impacto da inovação das questões do Direito à saúde no Contexto Latino-Americano a partir dos modelos de Brasil e Argentina», Cadernos de Dereito Actual, (22), pp. 314–330. Disponible en: https://cadernosdedereitoactual.es/ojs/index.php/cadernos/article/view/1063 (Accedido: 29 febrero 2024).