Hélice quádrupla (ou quíntupla): uma possibilidade de concretização do ODS 12 através da autorregulação das inovações em um mundo permeado pelo ESG Quadruple (or quintuple) helix: a possibility of implementing SDG 12 through the self-regulatiion of innovations in a world permeated by ESG

Raquel von Hohendorff

Resumen


Consumimos inúmeras inovações tecnológicas, mas o Planeta Terra tem demonstrado sintomas de um esgotamento de reservas. Segue necessária a discussão sobre os padrões de produção e de consumo, comportamentos ocasionadores de graves consequências para a saúde humana e ambiental. Falta muito para que se possa atingir o ODS 12, o que deverá perpassar por mudanças nas ações dos diferentes atores da cadeia de consumo. Objetiva-se analisar as possibilidades da contribuição dos ideais do ESG como uma quíntupla hélice no gerenciamento do ambiente regulatório das inovações, como uma possibilidade de ligação entre os diferentes sistemas (Direito e Ciência), demonstrando uma aplicação prática do conceito de pesquisa e inovação responsáveis, preocupada, também, com os impactos éticos, sociais e jurídicos, visando à sustentabilidade. Utiliza-se a perspectiva metodológica sistêmico-construtivista. O estudo é importante para a garantia da sobrevivência das gerações atuais e futuras em um planeta com recursos finitos. A conservação de Gaia exige muito mais do que conhecimento dos inúmeros e diferentes sistemas sociais, tecnologia inovadora e métodos de redução de desperdício: exigirá, além de atenção a todos esses aspectos, uma mudança de padrões de comportamento de todos, produtores e consumidores, quanto às questões ambientais, sociais e de governança.

Palabras clave: Inovações Tecnológicas, Sistema do Direito, Sustentabilidade, ESG, Autorregulação Regulada.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ABBOT, C. “Non-state Actors and the Challenges of Regulating New Technology”. Journal of Law and Society, v. 39, n. 3, Sep. 2012, p. 329-358.

ABBOTT, K.W.; MARCHANT, G.E.; SYLVESTER, D.J. “Trans-national regulation of nano-technology: reality or romanticism?” International handbook on regulating nanotechnology. (Ed.) HODGE, G.A.; BOWMAN, D.M. y MAYNARD, A.D. Cheltenham: Edward Elgar, 2010.

ALMER, A.S. et al. “Five rules of thumb for post-ELSI interdisciplinary collaborations”. Journal of Responsible Innovation, [S.l.], v. 3, n. 1, Oct. 2016. Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/full/ 10.1080/23299460.2016.1177867. Acesso em: 17 dez. 2021.

ARBEX, N. “ESG: conectando negócios com toda a sociedade”. ESG: o cisne verde e o capitalismo de Stakeholder: a tríade regenerativa do futuro global. Nascimento, J.O. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2021. p. 75-86.

ARMSTRONG, A. “Ethics and ESG”. Australasian Accounting, Business and Finance Journal, v. 14, n. 3, 2020, p. 6-17. doi: 10.14453/aabfj.v14i3.2.

AUDY, J.L.N. “Entre a Tradição e a Renovação: os desafios da universidade empreendedora”. Inovação e Empreendedorismo na Universidade. (Org.) AUDY, J.L.N.; MOROSINI, M.C. Porto Alegre: EDIPUCRS, 200.

AVEN, T.; RENN, O. “Some foundational issues related to risk governance and different types of risks”. Journal of Risk Research, v. 23, n. 9, p. 1-14, 2019.

BECK, U. A metamorfose do mundo: novos conceitos para uma nova realidade. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2018. E-book.

BEIER, G.; NIEHOF, S.; HOFMANN, M. “Industry 4.0: a step towards achieving the SDGs? A critical literature review”. Discover Sustainability, v. 2, n. 22, 2021.

BENJAMIN, A.H. “Princípio da proibição de retrocesso ambiental”. Princípio da proibição de retrocesso ambiental. (Org.) Brasil. Senado Federal. Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle. Brasília, DF: Senado Federal, 2012. E-book. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/242

/000940398.pdf?sequence=2&isAllowed=y. Acesso em: 17 out. 2021.

BEZERRA, S. ESG - O que essa sigla significa e porque ela é tão importante para as empresas? App startse. Disponível em: https://app.startse.com/artigos/open-insurance-startup-parceria-b3. Acesso em: 10 dez. 2021.

BOURGOIGNIE, T. “Proteção do consumidor e desenvolvimento sustentável: consumidor soberano, poluidor, responsável ou vítima?” Revista de Direito do Consumidor, São Paulo, v. 109, ano 26, jan./fev. 2017, p. 17-37.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 17 out. 2021.

BRASIL. Decreto nº 9.571, de 21 de novembro de 2018. Estabelece as Diretrizes Nacionais sobre empresas e direitos humanos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9571.htm. Acesso em: 22 dez. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.186, de 11 de novembro de 2015. Institui a Política de Educação para o Consumo sustentável. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=13186&ano=2015&ato=176UTQE9UNVpWT61b. Acesso em: 20 out. 2021.

CAMBRIDGE INSTITUTE FOR SUSTAINABILITY LEADERSHIP (CISL). CISL hosts “economic transformation” discussions with 250 senior leaders at Buckingham Palace to mark 30th anniversary. June 13th, 2019. Disponível em: https://www.cisl.cam.ac.uk/about/news/cisl-hosts-economic-transformation-discussions-250-senior-leaders-30th-anniversary. Acesso em: 30 nov. 2021.

CARVALHO, D.W. “A construção probatória para a declaração jurisdicional da ilicitude dos riscos ambientais”. Revista da AJURIS, n. 123, ano XXXVIII, set. 2011, p.33-62.

CARVALHO, M.M. Inovação: estratégias e comunidades de conhecimento. São Paulo: Atlas. 2009.

CASTELLS, M. “Para além da caridade: responsabilidade social no interesse da empresa na nova economia”. Construir confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações. (Org.) Cortina, A. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

COELHO, S.O.P.; ARAÚJO, A.F.G. “A sustentabilidade como princípio constitucional sistêmico e sua relevância na efetivação interdisciplinar na ordem constitucional econômica e social: para além do ambientalismo e do desenvolvimento”. Revista da Faculdade de Direito de Uberlândia, Uberlândia, v. 39, n. 1, p. 261, 2011. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistafadir/article/view/18499/9916. Acesso em: 19 out.2021.

CONSELHO EMPRESARIAL BRASILEIRO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (CEBDS). Como inserir a sustentabilidade em seus processos: inovação. Rio de Janeiro, ago. 2015. Disponível em: http://docplayer.com.br/6725116-Como-inserir-a-sustentabilidade-em-seus-processos-inovacao.html. Acesso em: 16 dez. 2021.

CORTINA, A. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo: Loyla, 2005.

CORTINA, A.; NAVARRO, E.M. Ética. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

DAMODARAN, A. Gestão estratégica do risco: uma referência para a tomada de riscos empresariais. Porto Alegre: Bookman, 2009.

DARNACULLETA GARDELLA, M.M. “Autorregulación normativa y derecho em la globalización”. Estrategias del derecho ante la incertidumbre y la globalización. (Ed.) Darnaculleta Gardella, M.M.; Pardo, J.E.; Döhmann, I.S. Madrid: Marcial Pons, 2015. Disponível em: http://www.marcialpons.es/static/pdf/9788416402434.pdf. Acesso em: 15 dez. 2021.

DASGUPTA, P. The Economics of Biodivesity: The Dasgupta Review. Abridged Version. London: HM Treasury, 2021.

DUPRAT, D. et al. Para uma política nacional de Direitos Humanos e Empresas no Brasil: Prevenção, Responsabilização e Reparação. Análise nº 48/2018. Fundação Friedrich Ebert, dez. 2018.

ELKINGTON, J. “Towards the sustainable corporation: win-win-win business strategies for sustainable development”. California Management Review, Berkeley, v. 36, n. 2, 1994. Disponível em: http://journals. sagepub.com/doi/abs/10.2307/41165746. Acesso em: 20 dez. 2021.

ELKINGTON, J. Green Swans: the comming boom in regenerative capitalismo. New York: Fast Company Press, 2020.

ENGELMANN, W. “A pandemia global gerada pelo novo coronavírus, nanotecnologias e a “metamorfose do mundo” (Beck)”. Constituição, sistemas sociais e hermenêutica: anuário do Programa de Pós-Graduação em Direito da UNISINOS: mestrado e doutorado: n. 16. (Org.) Bragato, F.F.; Streck, L.L.; Rocha, L.S. São Leopoldo: Karywa, Unisinos, 2020. E-book.

ENGELMANN, W. “As nanotecnologias e a gestão transdisciplinar da inovação”. Direitos humanos e novas tecnologias. (Org.) Engelmann, W.; Wittmann, C. 1. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2015d. v. 1.

ENGELMANN, W. “As nanotecnologias e a inovação tecnológica: a ‘hélice quádrupla’ e os direitos humanos”. Nanotecnologias: um desafio para o século XXI, São Leopoldo, 2010, São Leopoldo. Anais. São Leopoldo, v. 1, cd.

ENGELMANN, W. “As nanotecnologias e suas aplicações no meio ambiente: entre os riscos e a autorregulação”. Constituição, sistemas sociais e hermenêutica. Anuário do Programa de Pós-Graduação em Direito da UNISINOS, n. 17 (Org.) Teixeira, A.V.; Streck, L.L.; Rocha, L.S. Blumenau: Dom Modesto, 2021. cap. 19, p. 383-384. Disponível em: http://www.dommodesto.com.br/produto/constituicao-sistemas-sociais-e-hermeneutica-n17/. Acesso em: 30 set. 2021.

ENGELMANN, W. “Direitos Bio-humanos-éticos: os Humanos buscando “direitos” para proteger-se dos avanços e riscos (desconhecidos) das nanotecnologias”. Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI (Conselho Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Direito). Fortaleza/CE/Brasil, p. 656-668, 2010.

ENGELMANN, W.; FLORES, A.S.; WEYERMÜLLER, A.R. Nanotecnologias, marcos regulatórios e direito ambiental. Curitiba: Honoris Causa, 2010.

ENGELMANN, W.; HOHENDORFF, R.V. As nanotecnologias e os desafios regulatórios: transbordando as fontes do Direito. No prelo.

ENGELMANN, W.; HOHENDORFF, R.V.; MENDONÇA, I.C. “O labor nanotech e a necessária metamorfose jurídica: como as atuais sociedades de risco podem se valer de um ambiente regulatório pluralista para a garantia do não retrocesso à dignidade humana do trabalhador”. Revista Direito em Debate, v. 30, 2021, p. 288-296.

ENGELMANN, W.; LEAL, D.W.S.; HOHENDORFF, R.V. “Autorregulação e riscos: desafios e possibilidades jurídicos para a gestão dos resíduos nanoparticulados”. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, Porto Alegre, v. esp., n. 39, dez. 2018, p. 211. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/revfacdir/article/view/84606/51652. Acesso em: 18 out. 2021.

ETZKOWITZ, H. Hélice Tríplice: universidade-indústria-governo: inovação em ação. Porto Alegre: EDIPCRS, 2009.

FRANZIUS, C. “Autorregulatión regulada como estratégia de coordenación”. Estrategias del derecho ante la incertidumbre y la globalización. (Ed.) Darnaculleta Gardella, M.M.; Pardo, J.E.; Döhmann, I.S. Madrid: Marcial Pons, 2015. Disponível em: http://www.marcialpons.es/static/pdf/9788416402434.pdf. Acesso em: 15 dez. 2021.

FRANZOLIN, C.J. “Proteção Ambiental e direito do consumidor: para um consumo sustentável em construção”. Revista de Direito do Consumidor, v. 119, ano 27, set./out. 2018, p. 129-156.

FREITAS, J. Sustentabilidade: direito ao futuro. 1. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

GRI; PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS; WBCSD. Guia dos ODS para as Empresas: Diretrizes para implementação dos ODS na estratégia dos negócios. 2015. Disponível em: https://cebds.org/wp-content/uploads/2015/11/Guia-dos-ODS.pdf. Acesso em: 20 out.2021.

GROSSI, M. “A construção de um novo capitalismo e as oportunidades para o Brasil”. Finanças sustentáveis: ESG, compliance, gestão de risco e ODS. (Coord.) Yoshida, C.Y.M.; Vianna, M.D.B.; Kishi, S.A.S. Brasília, 2021, p. 522-534.

GROSSI, P. O Direito entre Poder e Ordenamento. Belo Horizonte: Del Rey, 2010.

GRUPO DE TRABALHO DA SOCIEDADE CIVIL PARA A AGENDA 2030. V Relatório Luz da Sociedade Civil Agenda 2030 do Desenvolvimento Sustentável Brasil. Brasília, 2021. Disponível em: https://actionaid.org.br/publicacoes/v-relatorio-luz-da-sociedade-civil-sobre-agenda-2030/. Acesso em: 15 nov. 2021.

GYADU-ASIEDU, W.; ASIAMAH-AMPADU, A.; FOKUO-KUSI, A. “A framework for systemic sustainable construction industry development (SSCID)”. Discover Sustainability, v. 2, n. 25, 2021. Disponível em: https://link.springer.com/content/pdf/ 10.1007/s43621-021-00033-y.pdf. Acesso em: 20 nov. 2021.

HANSEN, S.F. et al. “Nanotechnology - early lessons from early warnings”. Late lessons from early warnings: science, precaution, innovation: EEA report, Luxembourg, n. 1, 2013. Disponível em: https://www.eea.europa.eu/publications/late-lessons2. Acesso em: 15 dez. 2021.

HARARI, Y.N. 21 lições para o século 21. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HARTLEY, S. O fuzzy e o techie: as ciências humanas vão dominar o mundo digital. São Paulo: BEĨ Comunicação, 2017.

HOHENDORFF, R.V.; ENGELMANN, W. Nanotecnologias aplicadas aos agroquímicos no Brasil: a gestão dos riscos a partir do diálogo entre fontes do direito. Curitiba: Juruá, 2014.

HOMA. “Reflexões sobre o Decreto 9571/2018 que estabelece Diretrizes Nacionais sobre empresas e Direitos Humanos”. Cadernos de Pesquisa Homa, Juiz de Fora, v. 1, n. 7, dez. 2018.

HOMA. Cadernos de pesquisa Homa. Disponível em: http://homacdhe.com/index.php/pt/documentos/. Acesso em: 7 jan. 2021.

HUXLEY, A. Admirável Mundo Novo. São Paulo: Globo, 2014.

LIMA, M.; KASTNER, T. “A mão invisível do ESG”. Revista Você S/A, n. 272, jan. 2021, p. 36-45.

LÜDER, A. Com a pandemia, apenas 1 em cada 4 crianças da Atenção Básica realiza, ao menos, as três principais refeições do dia. GloboNews, 15 nov. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/saude/noticia/2021/11/15/com-a-pandemia-apenas-1-em-cada-4-criancas-da-atencao-basica-realiza-ao-menos-as-tres-principais-refeicoes-do-dia.ghtml. Acesso em: 7 jan. 2021.

LUHMANN, N. Confianza. Barcelona: Anthrops; México: Ed. Universidad Iberoamaericana; Santiago do Chile: Instituto de Sociología: Ed. Pontifícia Universidad Católica de Chile, 1996.

LUHMANN, N. La sociedad de la sociedad. 1. ed. México: Herder, 2007.

MACHADO, S.M. “Fundamentos e instrumentos jurídicos de la regulación económica”. Derecho de la regulación económica: fundamentos e instituciones de la regulación. (Dir.) Machado, S.M. Madrid: Iustel, 2001. v. 1.

MARCHANT, G.E.; SYLVESTER, D.J.; ABBOTT, K.W. “Risk management principles for nanotechnology”. NanoEthics, Dordrecht, v. 2, n. 1, Apr. 2008. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11569-008-0028-9. Acesso em: 20 dez. 2021.

MARQUES, C.L. “Atualização do Código de Defesa do Consumidor e o diálogo entre o direito do consumidor e o direito ambiental: estudo em homenagem à Eládio Lecey”. Congresso Brasileiro de Direito Ambiental: ambiente, sociedade e consumo sustentável [recurso eletrônico] / 20. Congresso Brasileiro de Direito Ambiental, 10. Congresso de Direito Ambiental dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola, 10. Congresso de Estudantes de Direito Ambiental. (Org.) Benjamin, A.H.; Leite, J.R.M. São Paulo: Instituto O Direito por Planeta Verde, 2015. p. 126-145.

ROCHA, L.S. “Da epistemologia jurídica normativista ao construtivismo sistêmico II”. Introdução à teoria do sistema autopoiético do direito. Rocha, L.S.; Schwartz, G.; Clam, J. 2. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

ROCHA, L.S. “Transdiciplinaridade e Direito”. Transdisciplinaridade e Universidade uma proposta em construção. Souza, I.M.L; Follmann, J.I. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

ROCHA, L.S.; KING, M.; SCHWARTZ, G. A verdade sobre a autopoiese do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

ROCHA, L.S.; MARTINI, S.R. Teoria e prática dos sistemas sociais e direito. 1. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2016.

SARLET, I.W. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. 6. ed. rev. atual. e ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.

SARLET, I.W.; FENSTERSEIFER, T. “Algumas notas sobre a dimensão ecológica da dignidade da pessoa humana e sobre a dignidade da vida em geral”. A dignidade da vida e os direitos fundamentais para além dos humanos: uma discussão necessária. (Org.) Molinaro, C.A.; Medeiros, F.L.F.; Sarlet, I.W.; Fensterseifer, T. Belo Horizonte: Fórum, 2008.

SARLET, I.W.; FENSTERSEIFER, T. Curso de direito ambiental. Rio de Janeiro: Forense, 2021. E-book. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/reader/books/9786559641161. Acesso em: 30 set. 2021.

SCHOPENHAUER, A. Parerga uns Paralipomena. Porto Alegre: Zouk, 1851.

SCHWAB, K. A quarta revolução industrial. São Paulo: EDIPRO, 2016.

SCHWAB, K.; DAVIS, N. Aplicando a Quarta Revolução Industrial. São Paulo: EDIPRO, 2019.

SDG COMPASS. Diretrizes para implementação dos ODS na estratégia dos negócios. [S. l.]: SDG Compass, 2016. Disponível em: https://sdgcompass.org/wp-content/uploads/2016/04/SDG_Compass_Portuguese.pdf. Acesso em: 18 out. 2021.

SEN, A. “Ética de empresa e desenvolvimento econômico”. Construir confiança: ética da empresa na sociedade da informação e das comunicações. (Org.) Cortina, A. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SHAH, H. “COVID-19 recovery: Science isn’t enough to save us”. Nature, v. 591, 25 Mar. 2021.

SHULLA, K. et al. “Efects of COVID 19 on the Sustainable Development Goals (SDGs)”. Discover Sustainability, v. 2, n. 15, 2021. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s43621-021-00026-x. Acesso em: 21 nov. 2021.

SILVA, S.R.; GOMES, A.S. “Sustentabilidade e o efeito bola de neve”. Dossiê ESG: veja, escute, fale e lidere. HSM Management, edição 143, novembro-dezembro 2020, p. 36-43.

SOETEMAN-HERNÁNDEZ, L.G. et al. “Modernizing innovation governance to meet policy ambitions through trusted environments”. NanoImpact, v. 21, 2021.

TEUBNER, G. “A Bukowina global sobre a emergência de um pluralismo jurídico transnacional”. Impulso, Piracicaba, v. 14, n. 33, 2003. Disponível em: http://livrozilla.com/ doc/1623775/a-bukowina-global-sobre-a-emerg%C3%AAncia-de-um-pluralismo. Acesso em: 15 dez. 2021.

TEUBNER, G. “Global private regimens-neo spontaneous law and dual constitution of autonomussectores”. Public governance in the age of globalization. (Ed.) Ladeur, K.H. Aldesrshot: Ashgate, 2004.

TEUBNER, G. Direito, sistema e policontexturalidade. Piracicaba: UNIMEP, 2005.

TEUBNER, G. Fragmentos constitucionais: constitucionalismo social na globalização. São Paulo: Saraiva, 2016.

TEUBNER, G. O direito como sistema autopoiético. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

THE GLOBAL COMPACT. Who Cares Wins: connecting financial markets to a changing World. Disponível em: https://documents1.worldbank.org/curated/en/280911488968799581/pdf/113237-WP-WhoCaresWins-2004.pdf. Acesso em: 25 nov. 2021.

THE WORLD BANK. Doing Business 2018: reforming to create jobs. Washington: International Bank for Reconstruction and Development/The World Bank, 2018.

TORRES, J.A.T. “La actividad autorregulatoria de la empresa y los foros de codificación. Fundamentos generales para una lectura transversal”. La actividad internacional de la empresa: Jornadas ASADIP 2017. (Dir.) All, P.M.; Albán, J.O.; Vescovi, E. Bogotá: Grupo Editorial Ibáñez, 2017.

TOURNEY, C. “Lessons from before and after nanotech”. Nature Nanotechnology, London, v. 7, n. 10, 2012. Disponível em: https://ethics.iit.edu/Nano EthicsBank/node/2752. Acesso em: 16 dez. 2021.

TUCCI, A. “Em nome do futuro da Terra”. Revista Forbes Brasil, ano VIII, n. 83, 2020.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOMENT (UNCTAD). Technology and Innovation Report 2021. Catching technological waves Innovation with equity. Genebra, 2021. Disponível em: https://unctad.org/page/technology-and-innovation-report-2021. Acesso em: 20 dez. 2021.

VIAL, S.R.M.; BARRETO, R.M. “Transdisciplinaridade, Complexidade e Pluralidade Maquinímica: aportes para pensar o Ciberdireito”. Sequência, n. 63, dez. 2011.

VILAR, S. La Nueva Racionalidad: Comprender la Complejidad con métodos transdisciplinarios. Barcelona: Editorial Kairós, 1997.

VOLTOLINI, R. Vamos falar de ESG? Provocações de um pioneiro em sustentabilidade empresarial. Belo Horizonte: Voo, 2021.

WEYERMÜLLER, A.R. “O estado ambiental da adaptação: um novo paradigma”. Revista da AJURIS, Porto Alegre, v. 41, n. 134, jun. 2014b. Disponível em: http://www.ajuris. org.br/OJS2/index.php/REVAJURIS/ article/view/194/130. Acesso em: 16 dez. 2021.

WEYERMÜLLER, A.R.; SILVA, B.L.; FIGUEIREDO, J.A.S. “O direito e os nanoalimentos: regulação, riscos e incertezas”. Impactos sociais e jurídicos das nanotecnologias. (Org.) Engelmann, W.; HUPFFER, H.M. São Leopoldo: Casa Leiria, 2017. Disponível em: http://www.guaritadigital.com.br/casaleiria/acervo/engelmann/impactos.html. Acesso em: 15 dez. 2021.

WOLKMER, A.C. “Introdução aos Fundamentos de uma Teoria geral dos ‘Novos’ Direitos”. Os “novos” direitos no Brasil: natureza e perspectivas – uma visão básica das novas conflituosidades jurídicas. (Org.) Wolkmer, A.C.; Morato Leite, J.R. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

WORLD ECONOMIC FORUM. Agile Regulation for the Fourth Industrial Revolution: a toolkit for regulators. Dec. 2020. Disponível em: https://www.weforum.org/about/agile-regulation-for-the-fourth-industrial-revolution-a-toolkit-for-regulators.Acesso em: 20 dez. 2021.

WORLD ECONOMIC FORUM. Measuring Stakeholder Capitalism: towards common metrics and consistent reporting of sustainable value. Disponível em: https://www.weforum.org/reports/measuring-stakeholder-capitalism-towards-common-metrics-and-consistent-reporting-of-sustainable-value-creation. Acesso em: 30 nov. 2021.

WORLD ECONOMIC FORUM. The Global Risks Report 2021. 16th Edition. Disponível em: https://www3.weforum.org/docs/WEF_The_Global_Risks_Report_2021.pdf. Acesso em: 30 nov. 2021.

ZEMELMANN, H. Determinismos y alternativas en las Ciencias Sociales de América Latina. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1995.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2022 Cadernos de Dereito Actual

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.


 

Cadernos de Dereito Actual

www.cadernosdedereitoactual.es

© 2013 por Xuristas en Acción.  

ISSN impreso: 2340-860X. ISSN electrónico: 2386-5229

 

Indexada en | Indexed by:

 

 

Consulta más bases de datos aquí