A legalidade da cláusula de washout nos contratos de compra e venda de safra futura de soja

THIAGO SOARES CASTELLIANO DE CASTRO, REJAINE SILVA GUIMARAES, MURILO COUTO LACERDA

Resumen


O presente trabalho tem por objeto a cláusula de washout em contrato de compra e venda de entrega de safra futura de soja, com cotação em dólar, perquirindo sobre a sua licitude frente ao art. 421-A, do Código Civil, e a possibilidade de revisão judicial. Justifica-se o presente estudo pela ausência de delimitação normativa e dogmática do instituto, exigindo-se a compreensão da sua função e natureza jurídica, para conformá-lo com o direito positivo. Os objetivos específicos percorrem a descrição da dinâmica dos contratos de longa duração envolvendo commoditiese as consequências das alterações fáticas externas ao contrato, porém a ele relacionadas, quando ocorre a variação do dólar e da respectiva prestação de entrega do produtor rural. Nesse viés, debate-se a natureza jurídica da cláusula, a partir dos institutos da indenização e da cláusula penal. Os resultados apontam pela legalidade da cláusula washout e sua tradução como sua cláusula penal. A metodologia desta pesquisa é de caráter bibliográfico, por meio de análise descritiva e método dedutivo.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


AMARAL NETO, F. dos S. “A autonomia privada como princípio fundamental da ordem jurídica – perspectivas estrutural e funcional”, Revista de Direito Civil, Vol. 46, São Paulo, 1998, pp. 07-26.

ARAÚJO FILHO, C.; PARRA, R. A. “Direito do agronegócio: os elementos para o surgimento de um ramo jurídico independente”, en ARAÚJO FILHO, C.; PARRA, R. A.; PLACHA, G. orgs. O Direito no Agronegócio Globalizado, Thoth, Londrina, 2021.

ÁVILA, H. Teoria da segurança jurídica, Malheiros, São Paulo, 2019.

AZEVEDO, A. V. “Inexecução culposa e cláusula penal compensatória”, Revista dos Tribunais, Vol. 791, São Paulo, set. 2001, pp. 121-132.

BECK, U. Sociedade de risco – rumo a uma outra modernidade, Editora 34, São Paulo, 2011.

BORGES, N. “A teoria da imprevisão e os contratos aleatórios”, en TEPEDINO, G.; FACHIN, L. E. orgs. Doutrinas Essenciais – Obrigações e Contratos, RT, São Paulo, 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, Senado Federal, Centro Gráfico, Brasília, DF, 1988.

BRASIL. Lei n. 10.406, 10 de janeiro de 2002, Código Civil, Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 2002.

BRASIL. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. AgRg no REsp 775.124/GO, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, TERCEIRA TURMA, julgado em 01/06/2010, DJe 18/06/2010.

BRASIL. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. REsp 1.689.225/SP, Rel. Ministro RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA, TERCEIRA TURMA, julgado em 21/05/2019, DJe 29/05/2019.

BRASIL. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. AgRg no REsp 1.518.605/MT, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 07/04/2016, DJe 12/04/2016.

BURANELLO, R. “Direito do Agronegócio como subsistema do Direito Comercial”, Revista Brasileira de Direito do Agronegócio, Vol. 1, São Paulo, jan./jun. 2019, pp. 63-76.

CAVALIERI FILHO, S. Programa de responsabilidade civil, Malheiros, São Paulo, 2009.

COELHO, F. U. Curso de Direito Civil, Vol. 3, São Paulo, RT, 2020.

COSTA, J. M. “Crise e modificação da ideia de contrato no Direito brasileiro”. Revista de Direito do Consumidor, V. 3, São Paulo, jul./set. 1992, pp. 127-154.

COSTA, J. M. “Contratos de derivativos cambiais. Contratos aleatórios. Abuso de Direito e abusividade contratual. Boa-fé objetiva. Dever de informar e ônus de se informar. Teoria da imprevisão. Excessiva onerosidade superveniente”, Revista de Direito Bancário e do Mercado de Capitais, V. 55, São Paulo, jan./mar. 2012, pp. 321-381.

COSTA, J. M. “A cláusula de hardship e a obrigação de renegociar nos contratos de longa duração”, Revista de Arbitragem e Mediação, São Paulo, V. 25, abr./jun. 2010, pp. 11-39.

COSTA, J. M. “A teoria da imprevisão e a incidência dos planos econômicos governamentais na relação contratual”, Revista dos Tribunais, V. 670, São Paulo, ago. 1991, pp. 41-48.

DIAS, J. de A. Da responsabilidade civil, 11ª edição, Renovar, Rio de Janeiro, 2006.

EMBRAPA. VISÃO 2030: o futuro da agricultura brasileira, Embrapa, Brasília, DF, 2018.

FERNANDES, M. B. B. “Impactos da Lei nº 13.874/2019 no princípio da função social do contrato: a liberdade econômica em foco”, Revista dos Tribunais, V. 1.010, São Paulo, dez. 2019, pp. 149-179.

FONSECA, A. M. da. Caso fortuito e teoria da imprevisão, Forense, Rio de Janeiro, 1932.

FRANÇA, R. L. Teoria e prática da cláusula penal, Saraiva, São Paulo, 1988.

GOMES, O. Contratos, 17ª edição, Forense, Rio de Janeiro, 1996.

GOMES, O. Obrigações, 12ª edição, Forense, Rio de Janeiro, 1999.

GONÇALVES, C. R. Direito Civil brasileiro, Vol. III, Saraiva, São Paulo, 2004.

GRAU, E. R. “Um novo paradigma dos contratos?”, Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Vol. 96, jan. 2001, pp. 423-433.

HIRONAKA, G. M. F. N.; TARTUCE, F. “O princípio da autonomia privada e o direito contratual brasileiro”, en HIRONAKA, G. M. F. N.; TARTUCE, F. coords. Direito contratual – temas atuais, Método, São Paulo, 2008.

LÔBO, P. L. N. “Dirigismo contratual”, en TEPEDINO, G.; FACHIN, L. E. orgs. Doutrinas essenciais – Obrigações e Contratos, v. 3, RT, São Paulo, 2011, pp. 385-406.

LONGMAN. Dictionary of english language and culture Longman, Person Education Limited, Londres, 2009.

MAGGI, B. O. “Nova proposta de classificação do dano no direito civil”, Revista de Direito Privado, Vol. 32, São Paulo, set. 2007, pp. 32-54.

MEDINA, J. M. G. Código Civil comentado, Thomson Reuters, São Paulo, 2020.

MIRANDA, J. “Os direitos fundamentais – sua dimensão individual e social”, Revista de Direito Constitucional e Internacional, Vol. 1, São Paulo, out./dez. 1992, pp. 198-208.

MONTEIRO, W. B., Curso de Direito Civil, v. 4, 27ª edição, Saraiva, São Paulo, 1994.

NERY, R. M. de A.; NERY JÚNIOR, N. Instituições de Direito Civil, Vol. 2, Thomson Reuters Brasil, São Paulo, 2019.

NEVES, K. P. “Intervenção judicial nos contratos”. Revista de Direito Bancário e do Mercado de Capitais, Vol. 64, abr./jun. 2014, pp. 249-280.

PASSOS, P. R. da S. “Cláusula rebus sic stantibus – teoria da imprevisão”, Revista dos Tribunais, Vol. 647, São Paulo, set. 1989, pp. 48-56.

PELUSO, C. coord. Código Civil Comentado, 7ª edição, Manole, Barueri, 2013.

RIPERT, G. A regra moral nas obrigações civis, Bookseller, Campinas, 2009.

RIZZARDO, A. Direito das obrigações, 2ª edição, Forense, São Paulo, 2006.

RIZZARDO, A. Contratos, 6ª edição, Forense, São Paulo, 2006.

SILVA, C. M. P. Instituições de Direito Civil, Vol. III, Forense, Rio de Janeiro, 2004.

TEPEDINO, G.; BARBOZA, H. H.; MORAES, M. C. B. de. Código Civil Interpretado, Vol. II, Renovar, Rio de Janeiro, 2014.

STOCO, R. Tratado de responsabilidade civil, Tomo II, 9ª edição, RT, São Paulo, 2013


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2022 Cadernos de Dereito Actual

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.


 

Cadernos de Dereito Actual

www.cadernosdedereitoactual.es

© 2013 por Xuristas en Acción.  

ISSN impreso: 2340-860X. ISSN electrónico: 2386-5229

 

Indexada en | Indexed by:

 

 

Consulta más bases de datos aquí