Estado garantidor x Estado mitigador da tutela jurisdicional coletiva: a inconstitucionalidade do teor do art. 16 da Lei de Ação Civil Pública brasileira

JOANA SILVIA MATTIA DEBASTIANI, Cleide Calgaro

Resumen


O ensaio examina institutos do direito processual coletivo e sua relação com as problemáticas sociais transindividuais, sob a ótica da alteração legislativa do art. 16 da Lei de Ação Civil Pública brasileira. Busca-se compreender se, antes da declaração de inconstitucionalidade do teor do artigo antes referido, a proteção aos direitos difusos e coletivos estava mitigada. Entende-se que o microssistema processual permaneceu eficaz, garantindo a defesa e tutela desses interesses/direitos. Contudo, reconhece-se que a incoerência técnico-legislativa na modificação da LACP brasileira, buscou reduzir a aplicação dos efeitos das sentenças condenatórias coletivas em total descompasso com princípios e regras e com o próprio Estado Democrático de Direito. O método de abordagem é o dedutivo e o procedimento de pesquisa é o jurídico-bibliográfico. Conclui-se que a decisão do STF sobre a questão é uma maneira de garantir os direitos e garantias constitucionais.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALMEIDA, G. A. de. Codificação do direito processual coletivo brasileiro: análise crítica das propostas existentes e diretrizes de uma nova proposta de codificação, Editora Del Rey, Belo Horizonte, 2007.

AMARAL, G. R.. “Efetividade, segurança, massificação e a proposta de um incidente de resolução de demandas repetitivas”, Revista Magister de Direito Civil e Processual Civil, Porto Alegre, n. 53, mar./abr. 2013.

ÁVILA, H.. Segurança jurídica: entre permanência, mudança e realização no direito tributário, Malheiros, São Paulo, 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 jul. 2021.

BRASIL. Decreto-lei nº 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del4657.htm. Acesso em: 27 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio-ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico (VETADO) e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7347orig.htm. Acesso em: 10 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 10 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078compilado.htm. Acesso em: 10 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406compilada.htm. Acesso em: 10 jul. 2021.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Resp nº 1.243.887/PR. Recorrente Branco Banestado S/A. Recorrido Dionísio Rovina. Relator: Ministro Luis Felipe Salomão. Julgamento em 19/10/2021. Publicado em 12/12/2011.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. RE nº 1101937/SP. Caixa Econômica Federal e outros. Recorrido Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Relator: Ministro Alexandre de Morais. Julgamento em 08/04/2021. Publicado em 14/06/2021.

BURDEAU, G.. A Democracia. Ensaio Sintético, Publicações Europa-América, Lisboa, 1975.

CANOTILHO, J. J. G.. Direito Constitucional e Teoria da Constituição, Almedina, Coimbra, 2003.

CAPPELLETTI, M.. “Formações sociais e interesses coletivos diante da justiça civil”. Tradução Nelson Ribeiro de Campos. Revista de Processo, São Paulo, n. 4. p. 128-159, jan./mar. 1977. p. 130-132.

CAPPELLETTI, M.; GARTH, B.. Acesso à justiça. Tradução Ellen Gracie Northfleet, S. A. Fabris, Porto Alegre, 1988.

CINTRA, A. C. de A.; GRINOVER, A. P.; DINAMARCO, C. R.. Teoria geral do processo, Malheiros, São Paulo, 2015.

DINAMARCO, C. R.. Instituições de direito processual civil, Malheiros, São Paulo, 2001.

GRECO, L.. “Eficácia da Declaração Erga Omnes de Constitucionalidade ou Inconstitucionalidade em Relação à Coisa Julgada Anterior” en “Relativização da Coisa Julgada: Enfoque Crítico” (DIDIER JR, F.. Coord.), JusPodvim, Salvador, 2006, p. 225.

GRINOVER, A. P.. “A Ação Civil Pública Refém do Autoritarismo”, Revista de Processo, vol. 96, out/1999, DTR 1999/483, p. 28-36.

KELSEN, H.. Teoria pura do direito, Tradução de João Baptista Machado, Martim Fontes, 2006.

LUNELLI, C. A.. “Por um novo paradigma processual nas ações destinadas à proteção do bem ambiental. A contribuição do contempt of court”, en Estado, meio ambiente e jurisdição (LUNELLI, C. A.; MARIN, J. org.), Educs, Caxias do Sul, 2012.

LUNELLI, C. A.; MARIN, J.. “Patrimônio cultural e ações coletivas”, en Ambiente, políticas públicas e jurisdição, (LUNELLI, C. A.; MARIN, J. org.), Educs, Caxias do Sul, 2012.

MARINONI, L. G.; ARENHAT, S. C.; MITIDERO, D.. Novo curso de Processo Civil: tutela dos direitos mediante procedimento comum, Revista dos Tribunais, São Paulo, 2017.

MAZZILLI, H. N.. Defesa dos interesses difusos em juízo: meio ambiente, consumidor, patrimônio público e outros interesses, Saraiva, São Paulo, 2013.

MENDES, G. F.; BRANCO, G. G.. Curso de Direito Constitucional, Saraiva, São Paulo, 2017.

MORAIS, A. de. Voto no RE 1101937/SP, en Supremo Tribunal Federal. RE nº 1101937/SP. Caixa Econômica Federal e outros. Recorrido Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Relator: Ministro Alexandre de Morais. Julgamento em 08/04/2021. Publicado em 14/06/2021. p. 14.

RODRIGUES, M. A.. “Ação Civil Pública”, en Ações constitucionais, (DIDIER JÚNIOR, Fredie Coord) JusPodvim, Salvador, 2007.

RODRIGUES, G. de A.. Ação Civil Pública e Termo de Ajustamento de Conduta: teoria e prática, Forense, Rio de Janeiro, 2002.

ROSAS, R.. “Segurança Jurídica. Efetividade. Jurisprudência”, Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 48 n. 190, abr./jun. 2011.

RAYMUNDO, A. L.. Princípio da máxima amplitude da tutela jurisdicional coletiva comum: acesso à justiça, Florianópolis, 2009.

SILVA, J. A. da. “Constituição e segurança jurídica”, en Constituição e segurança jurídica: direito adquirido, ato jurídico perfeito e coisa julgada. Estudos em homenagem a José Pablo Sepúlveda Pertence. (ROCHA, C. L. A. coord.), Fórum, Belo Horizonte, 2004.

SILVA, O. B. da. Sentença e coisa julgada, Forense, Rio de Janeiro, 2006.

SILVA, O. B. da; GOMES, F. L.. Teoria geral do processo civil, Revista dos Tribunais, São Paulo, 2006.

WAMBIER, L. R.; ALMEIDA, F. R. C. de; TALAMINI, E.. Curso avançado de processo civil, Revista dos Tribunais, São Paulo, 2006.

WOLKMER, A. C.. “Perspectivas contemporâneas na fundamentação dos direitos humanos”, Revista de Direito - Tópicos em Direitos Humanos, Florianópolis, n. 1, p. 15-27, jul./dez. 2006.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2022 Cadernos de Dereito Actual

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.


 

Cadernos de Dereito Actual

www.cadernosdedereitoactual.es

© 2013 por Xuristas en Acción.  

ISSN impreso: 2340-860X. ISSN electrónico: 2386-5229

 

Indexada en | Indexed by:

 

 

Consulta más bases de datos aquí