A CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DA JUSTIÇA EM JOHN RAWLS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Magno Federici Gomes, Antonieta Caetano Gonçalves

Resumen


Em tempos de globalização econômica, em que a crise ambiental ganha destaque, principalmente pela escassez dos recursos naturais, bem como cresce a desigualdade social, sendo que os danos recaem prima facie na população menos favorecida, é necessário garantir o desenvolvimento sustentável com a justa distribuição das riquezas das sociedades modernas,  compatibilizando a justiça ambiental com a  justiça social. Neste artigo  propõe-se a analisar de que forma o Estado brasileiro, enquanto nação norteada por valores vinculados à justiça social e aos princípios da igualdade e solidariedade, conformado constitucionalmente ao paradigma do Estado Democrático de Direito, deve distribuir suas riquezas em prol do bem-estar de todos como forma de implementar os ideais e objetivos fundamentais da sociedade, que se apresenta historicamente por desigualdades regionais e econômicas.  Ao considerar  a ocorrência de conflitos de interesses entre os direitos fundamentais sociais, como moradia e meio ambiente, questiona-se que critério deve nortear a compatibilização destes direitos. A hipótese básica que orienta esta pesquisa é que a igualdade, cooperação e participação da sociedade nas escolhas levará à justiça social, garantindo direitos fundamentais para gerações atuais e futuras. Para tanto, foram utilizados, o método jurídico-teórico e raciocínio dedutivo com técnica de pesquisa bibliográfica, tendo como marco teórico a  obra Uma Teoria da Justiçade Rawls (2008). Ao final, verifica-se que é possível efetivar os direitos fundamentais à moradia e ao meio ambiente saudável se a sociedade for um empreendimento coletivo cooperativo para o benefício de todos.     

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


BERCOVICI, G. Constituição econômica e desenvolvimento, Malheiros, 2005.

BRASIL. “Constituição da República Federativa do Brasil de 1988” in Diário Oficial da União, Brasília, 1988.

CANOTILHO, J. J. G. Direito constitucional, Almedina, 1993.

CANOTILHO, J. J. G. Constituição dirigente e vinculação do legislador: contributo para a compreensão das normas constitucionais programáticas, Coimbra Editora, 1994.

CANOTILHO, J. J. G. Direito constitucional e teoria da Constituição, Almedina, 2002.

CANOTILHO, J. J. G. “Tomemos a sérios os direitos económicos, sociais e culturais” in Estudos sobre Direitos Fundamentais, 2008.

DIAS, R. Eco-inovação: caminho para o crescimento sustentável, Atlas, 2014.

DIAS, P. I. “Natureza Jurídica do Desenvolvimento Sustentável no Direito Internacional”, Revista do Direito Internacional, 2, 2015.

FREITAS, J. Sustentabilidade: direito ao futuro, Fórum, 2012.

FREITAS, J. Sustentabilidade: direito ao futuro, Fórum, 2016.

GOMES, M. F.; SANTOS, A. A. P. “As dimensões e normatização do desenvolvimento sustentável”, Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 1, 2016.

GOMES, M. F.; FERREIRA, L. J. A dimensão jurídico-política da sustentabilidade e o direito fundamental à razoável duração do procedimento, Revista do Direito, Santa Cruz do Sul, 52, 2017.

GOMES, M. F.; FERREIRA, L. J. “Políticas Públicas e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”, Revista de Direito e Desenvolvimento, 2, 2018.

GRAU, E. R. A Ordem econômica na constituição de 1988. Malheiros, 2008.

LUMERTZ, E. S; VIEIRA, F. S. “A justiça e o direito segundo John Rawls e a questão ambiental uma abordagem possível”, Revista do Ministério Público, 72, 2012.

MARQUES, C. “Meio ambiente, solidariedade e futuras gerações”, Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFC, 2012.

MÖLLER, J. E. A justiça como eqüidade em John Rawls, S. A. Frabris, 2006.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. “Assembléia Geral das Nações Unidas” in Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento, 1987.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. “Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD)” in Os objetivos de desenvolvimento sustentável: dos ODM aos ODS.

RAWLS, J. Uma teoria da justiça, Martins Fontes, 2008.

ROHLING, M. O sistema jurídico e a justificação moral da obediência ao direito em uma teoria da justiça de John Rawls, Universidade Federal de Filosofia de Santa Catarina, 2011.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável, Garamond, 2002.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Garamond, 2008.

SARLET, I. W. “O direito fundamental à moradia na constituição: Algumas anotações a respeito de seu contexto, conteúdo e possível eficácia”, Revista de Direito e Democracia, 2, 2003.

SARLET, I. W. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988, Livraria do Advogado, 2006.

SARLET, I. W.; FENSTERSEIFER, T. “Direito constitucional ambiental: constituição, direitos fundamentais e proteção do ambiente”, Revista dos Tribunais, 2017.

SILVA, R. F. T.; DIZ, J. B. M. “Princípio da precaução: definição de balizas para a prudente aplicação”, Veredas do Direito, 32, 2018.

TAVOLARO, S. B. F. “Movimento ambientalista e modernidade: sociabilidade, risco e moral”, Universidade Estadual de Campinas, 1998.

THOMÉ, R. Manual de direito ambiental, Juspodivm, 2020.

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT. “Our Common Future: the Brundtland Report” in Oxford University Press, 1987, p. 387.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2021 Cadernos de Dereito Actual

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.


 

Cadernos de Dereito Actual

www.cadernosdedereitoactual.es

© 2013 por Xuristas en Acción.  

ISSN impreso: 2340-860X. ISSN electrónico: 2386-5229

 

Indexada en | Indexed by:

 

 

Consulta más bases de datos aquí