Instrumentos normativos internacionais de combate à corrupção e crimes correlatos no Brasil

Thamara Duarte Cunha Medeiros

Resumen


Cada vez mais globalizada, a corrupção desconhece fronteiras e desafia os mecanismos de combate.  Trata-se de um crime complexo que impacta as dinâmicas socioeconômicas e institucionais das sociedades democráticas. Seu caráter transnacional motivou a elaboração de diversas normativas internacionais, em especial, destacam-se a Convenção Interamericana contra a Corrupção da OEA; Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais da OCDE; e Convenção da ONU contra a Corrupção. No contexto brasileiro, a corrupção não é um fenômeno recente, está inserida na estrutura político-social desde a colonização e assim, são diversos os casos de corrupção relacionados ao desvio de recursos públicos, fraude, suborno, peculato, abuso de poder, tráfico de influência e sonegação, lavagem de dinheiro entre outros. No entanto, na última década, a política anticorrupção brasileira, inspirada nas normas internacionais já referidas, registrou importantes avanços legislativos que intensificaram a combate à corrupção no Brasil. 

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


BADARÓ, G. H. “O crime de enriquecimento ilícito no Projeto do Código Penal, em face da presunção de inocência”, Tribuna Virtual IBCCRIM. Ano: 01, ed. 01. Jan/fev, 2013, pp. 50-75.

BECHARA, A. E. L. “A criminalização do enriquecimento ilícito de funcionário público”, Lições ao Brasil sobre o perigo de retrocesso do direito penal ao período pré-iluminista, RBCCRIM, RT, São Paulo, n. 98, set.-out. 2012, p. 536.

BIJOS, L.M. D.; ALMEIDA, M. J. de M. “A Globalização e a Lavagem de Dinheiro: medidas internacionais de combate ao delito e reflexos no Brasil”, Revista CEJ, Brasília, v. 19, n. 65, p. 84-96, jan./abr. 2015.

BITENCOURT, C. R. Tratado de Direito Penal: parte especial, Crimes contra a administração pública e crimes praticados por prefeitos, 12 ed., Saraiva, São Paulo, 2018.

BRANDÃO, C. Tipicidade penal: dos elementos da dogmática ao giro conceitual do método entimemático, Almedina, Coimbra, 2012.

COSTA JUNIOR, P. J. da. Direito Penal: curso completo. 8 ed. ver, e consolidada em um único volume. Saraiva, São Paulo, 2000. p. 28.

ENCCLA. Ações e metas. Disponível em: < http://enccla.camara.leg.br/acoes/acoes-de-2018-1>. Acesso em: 22 de jul. de 2019

FILGUEIRAS, F. “A tolerância à corrupção no Brasil: uma antinomia entre normas morais e prática social”, Opinião Pública, Campinas, vol. 15, nº 02, 2009, p.386-421.

GRECO, L. “Reflexões provisórias sobre o crime de enriquecimento ilícito”, Boletim IBCCRIM nº 277 dez/2015. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. 2019.

GRECO FILHO, V. “O combate à corrupção e a Lei de Responsabilidade da Pessoa Jurídica Lei n. 12.46/2013”, Revista Jurídica ESSMP-SP v.9, 2016. pp. 15-30. p. 22.

GRECO FILHO, V. Y RASSI, J. D. O combate à corrupção e comentários à lei de responsabilidade de pessoas jurídicas (Lei n. 12.846, de 1o de agosto de 2013) – Atualizado de acordo com o Decreto n. 8.420, de 18 de março de 2015, Saraiva, São Paulo, 2015. p. 20.

HOBSBAWM, E. Globalização, democracia e terrorismo, Companhia das Letras, São Paulo, 2007.

HUNGRIA, N. Comentários ao Código Penal, Volume IX. 2ª ed., Companhia Editora Forense, Rio de Janeiro, 1959.

ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO 2018 BRASIL APRESENTA SUA PIOR NOTA DESDE 2012 E CAI DA 96ª PARA A 105ª POSIÇÃO NO RANKING DA TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL, disponível em, , acesso em 04 de dezembro de 2019.

MEYER-PLUFG, S. R. y OLIVEIRA, V. T. de. “O Brasil e o combate internacional à corrupção”, Revista de Informação Legislativa. Ano 146. nº 181. Brasília, Janeiro/março 2009. pp. 187-194. p. 189.

MIRABETE, J. F. Manual de Direito Penal. Vol. 3, parte especial, arts. 235 a 361 do CP. 28 ed. Atlas, São Paulo, 2014. p. 303.

NORONHA, E. M. Direito Penal. Vol. 4. São Paulo, Saraiva, 1998.

OEA. Convenção Interamericana contra Corrupção. Disponível em: < http://www.oas.org/juridico/portuguese/treaties/B-58.htm >. Acesso em 22 jul. 2019

OLIVEIRA, W. T. de; RIBEIRO, D. G. “Corrupción en el sector privado”, Revista Penal, Barcelona, no 11, p.159-163, jan. 2003. p. 159-160.

PINHEIRO, H. de J. G; VELOSO, R. C. “Prevenção e enfrentamento supranacionais à corrupção: reflexões sobre o organismo europeu de luta antifraude”, Revista Brasileira de Direito Internacional, V. 4, nº2, Porto Alegre, jul/dez 2018. pp. 84-106.

SMANIO, G. P. “O sistema normativo brasileiro anticorrupção”, em VV.AA CUNHA DILHO, A. J. C. da; ARAÚJO, G. R. B. de; LIVIANU, R.; PASCOLATI JUNIOR, U. A. (coords.) 48 visões sobre a corrupção, Quartier Latin, São Paulo, 2016.

UNODOC. Convenção das Nações Unidas Contra a Corrupção. Disponível em: < https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/corrupcao/convencao.html >. Acesso em 22 jul. 2019.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Cadernos de Dereito Actual


 

Cadernos de Dereito Actual

www.cadernosdedereitoactual.es

© 2013 por Xuristas en Acción.  

ISSN impreso: 2340-860X. ISSN electrónico: 2386-5229

 

Indexada en | Indexed by: