O novo regime fiscal veiculado pela emenda constitucional 95/16: reflexos no custeio da educação no brasil

Fulvia Helena De Gioia

Resumen


 

O texto tratará as novas regras que limitam as despesas públicas e que foram introduzidas pela Emenda Constitucional 95 de 15 de dezembro de 2016. As alterações, que tem por objetivo limitar os gastos públicos, atingem os percentuais mínimos de direcionamento dos recursos financeiros orçamentários para as despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino, previstos pela Constituição de 1988 desde a sua promulgação. A relevância do tema está na atualidade e necessidade de visualizar medidas de prevenção dos impactos negativos que, certamente, produzirá nas ações estatais voltadas ao cumprimento das metas educacionais estabelecidas tanto nacionalmente (no Plano Nacional da Educação) quanto nos compromissos internacionais firmados pelo Brasil. 

 


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


CONTI, José Maurício. (2016). Vinculações Orçamentárias não são a Panaceia dos Problemas. In: Levando o Direito Financeiro à Sério. São Paulo: Blucher.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. (2011). Direitos Humanos Fundamentais. 13a ed. Saraiva: São Paulo.

GIOIA, Fulvia Helena de. (2015). Tributação e Custeio da Educação Pública no Brasil após 1988. Tese de doutoramento. Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo – texto ainda não publicado.

_____________________. (2013). Tributação, Direitos Fundamentais e Cidadania: Algumas reflexões sobre a dupla face da tributação em busca da Justiça Fiscal. In: Revista Brasileira de Direito Tributário e Finanças Públicas – Caderno de Direito Comparado. São Paulo, v. 36, jan/fev, pp. 170-185.

GRECO, Marco Aurélio. (2000). Contribuições – uma figura ‘sui generis’. São Paulo: Dialética.

JARDIM, Eduardo Marcial Ferreira. (2015). Finanças Públicas e Tributação ao lume dos Direitos e Garantias. São Paulo: Noeses.

HOLMES, Stephen & SUNSTEIN, Cass. (2000). The Cost Of Rights - why liberty depends on taxes. Norton: New York.

JARACH, Dino. (1999). Finanzas Públicas y Derecho Tributario. 3a ed. Buenos Aires: Abeledo-Perrot.

MENDES, Marcos. (2015) A Despesa Federal em Educação: 2004 a 2014. In: Boletim Legislativo n. 26. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/publicacoes/estudos-legislativos/tipos-de- estudos/boletins-legislativos/bol26. Acesso em: 02.01.2017.

OCDE. (2016). Education at a Glance. Publicado em 15.09.2016. Disponível em: http://www.oecd.org/edu/education-at-a-glance-19991487.htm. Acesso em 02.01.2017.

OLIVEIRA, Regis Fernandes de. (2006). Curso de Direito Financeiro. 6a ed. revista, atualizada e ampliada. São Paulo: RT.

PLANALTO. Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (PIDESC). Fonte: Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990- 1994/d0591.htm. Acesso em: 02.01.2017.

PLANALTO. Emenda Constitucional 95 de 15 de dezembro de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc95.ht m. Acesso em: 02.01.2017.

RANIERI, Nina Beatriz Stocco. (2013). O direito educacional no sistema jurídico brasileiro. In: Justiça pela Qualidade na Educação - Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude (ABMP). São Paulo: Saraiva.

SARLET, Ingo Wolfgang. (2007). A Eficácia dos Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

SCAFF, Fernando Facury. (2016). PEC do Teto de Gastos também deveria limitar arrecadação de impostos. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2016-nov- 01/contas-vista-pec-teto-gastos-deveria-limitar-arrecadacao- impostos?imprimir=1. Acesso em: 02.01.2017.

SENA, Paulo. (2002). A União e a aplicação dos recursos vinculados à manutenção􏰀e ao desenvolvimento do ensino. In: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Vol. 83. Brasília. Disponível em http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/viewFile/901/876. Acesso em: 02.01.2017.

UNESCO. (2015). Relatório de Monitoramento global de EPT. Disponível em 22.07.2015 em: http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002325/232565por.pdf.

UOL. (2016). Por que a educação brasileira vai mal em ranking internacional? Disponível em: http://educacao.uol.com.br/noticias/2016/12/07/por-que-o-brasil-vai-mal- em-avaliacao-do-pisa-especialistas-respondem.htm. Acesso em: 02.01.2017.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Cadernos de Dereito Actual




 

Cadernos de Dereito Actual

www.cadernosdedereitoactual.es

© 2013 por Xuristas en Acción.  

ISSN impreso: 2340-860X. ISSN electrónico: 2386-5229

 

Indexada en | Indexed by:

 

 

Consulta más bases de datos aquí